Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Política > A Câmara dos Deputados aprovou a Medida Provisória que libera 100% de capital estrangeiro nas empresas aéreas brasileiras

O que se sabe até agora sobre o avião da Boeing suspenso após dois acidentes

Avião caiu logo após decolar na Etiópia no último domingo. (Foto: Reprodução)

Os aviões Boeing da linha 737 Max tiveram seus voos suspensos no mundo todo após dois acidentes matarem quase 350 pessoas e colocarem sob suspeita a segurança do modelo.

No último domingo (10), um avião 737 Max da Ethiopian Airlines caiu na Etiópia apenas seis minutos após a decolagem, deixando 157 mortos. Foi o segundo acidente com o modelo em cinco meses. Em outubro de 2018, um outro avião, da Lion Air, caiu na Indonésia, matando todas as 189 pessoas a bordo.

Por que há suspeitas?

Há semelhanças entre as circunstâncias em que os acidentes ocorreram. Nos dois casos, as aeronaves eram novas e caíram pouco após decolarem. Investigações preliminares sobre a primeira queda apontam que ela pode ter ligação com problemas em um sistema de voo do avião da Boeing, considerado polêmico.

Sistema

O MCAS (Maneuvering Characteristics Augmentation System, ou, Sistema de Aumento das Características de Manobra) é uma novidade da linha 737 Max em relação à anterior, 737 NG (Next Generation).

De maneira simplificada, ele atua para evitar que o avião entre em situação de estol, ou seja, perca velocidade e sustentação e comece a cair. Para isso, o sistema baixa o nariz da aeronave lentamente para um ângulo seguro.

Ele é ativado automaticamente quando o piloto automático está desligado, quando a aeronave está com o nariz muito elevado, quando está sendo realizada uma curva muito inclinada etc.

O relatório preliminar sobre a queda da Lion Air indicou que houve uma série de problemas com a leitura da velocidade do ar e da altitude pelos instrumentos dias antes do acidente. O papel do MCAS nos acidentes ainda não foi confirmado.

Reação mundial

Após o segundo acidente, a proibição do uso dos Boeing 737 Max foi sendo determinada por diversos países, um após o outro. Até que os Estados Unidos, que relutavam em adotar a medida, também suspenderam o uso do Boeing, dizendo que novas evidências do local do acidente na Etiópia, “junto com dados de satélite” levaram à decisão de deixar os aviões no solo.

Com a proibição do governo norte-americano e a pressão internacional, a própria Boeing decidiu pedir às aéreas do mundo todo que deixem de usar temporariamente os 737 Max.

Palavra da Boeing

Que a aeronave é segura e que a sua recomendação de suspendê-la é apenas “excesso de cautela”. Apesar da posição, a Boeing anunciou que está desenvolvendo uma atualização do software do MCAS para tornar os aviões “ainda mais seguros”.

A atualização do software já vinha sendo estudada pela empresa desde a queda do primeiro avião, em outubro. A previsão da Boeing é que a mudança seja feita nas próximas semanas. Fontes ligadas ao caso disseram à agência de notícias AFP que a atualização ocorrerá em até dez dias.

Uso no Brasil

A Gol é a única aérea nacional que opera o modelo 737 Max. A empresa suspendeu o modelo no dia seguinte ao acidente da Ethiopian Airlines. A decisão foi reproduzida pelas duas únicas estrangeiras que operavam o avião por aqui, a Aerolíneas Argentinas e a American Airlines.

Depois que a própria Boeing recomendou a suspensão da linha 737 Max, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) proibiu o uso do modelo no País. Ainda há algum 737 Max voando no mundo? Não. Todas as aeronaves deixaram de ser usadas comercialmente após a recomendação da Boeing.

Negócio com a Embraer

A Embraer afirma que a crise da Boeing não deve afetar as negociações entre as empresas. A brasileira vendeu à Boeing sua divisão de aviação comercial, em um acordo avaliado em US$ 5,3 bilhões, já aprovado por acionistas.

A transação foi aprovada pelo presidente Jair Bolsonaro em janeiro. Embora a Embraer tenha sido privatizada em 1994, o governo é dono de uma “golden share”, uma ação especial que dá direito a veto em decisões importantes, como a venda do controle da empresa. Para que o negócio seja oficializado, falta ainda a aprovação das autoridades reguladoras do Brasil e dos Estados Unidos.

Deixe seu comentário: