Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Governo lança “Programa Verde Amarelo” para incentivar a geração de emprego e renda

River Plate tem escolta “cinematográfica” no estádio do Boca Juniors, na semifinal da Libertadores

Ônibus do River Plate recebeu película antivandalismo. (Foto: Diego Haliasz/Prensa River)

A semifinal da Libertadores entre Boca Juniors e River Plate mobilizou a segurança nacional argentina. O Ministério da Segurança do país deslocará 1.500 policiais para a partida, além de dois helicópteros, motocicletas, carros blindados e monitoramento ao vivo feito por drones geograficamente bem posicionados.

As equipes se enfrentam nesta terça-feira, às 21h30min (horário de Brasília), em La Bombonera, no duelo de volta do torneio continental. A principal preocupação está em garantir a segurança dos jogadores e membros da delegação do River Plate. Todo o aparato para proteger os jogadores tentará evitar o que aconteceu na decisão da Libertadores entre os dois clubes no ano passado.

No jogo de volta, no Monumental de Nuñez, o ônibus do Boca foi apedrejado, atletas ficaram feridos, a partida foi adiada e só aconteceu semanas depois em Madri, na Espanha. Os argentinos aprenderam com isso, acreditam os envolvidos com a segurança. A região do estádio, parte sul da cidade de Buenos Aires, possui ruas estreitas, de muita movimentação em dias de jogo. O desafio da polícia, portanto, será gigantesco. Antes e depois da partida.

A delegação do River Plate se reúne no Monumental de Nuñez no início da tarde. O grupo pretende almoçar em seu próprio estádio e descansar antes de atravessar a cidade em direção a La Bombonera. Torcedores do River estão preparando uma festa em frente ao Monumental. Eles vão desejar boa sorte ao time após a vitória de 2 a 0 na primeira partida. Em La Bombonera só haverá torcedores do Boca. A Argentina também vive a decisão de torcida única nos grandes confrontos.

O ônibus do River percorre 16 quilômetros até o estádio do Boca, e a previsão é que ele chegue quatro horas antes do início da disputa. A última preleção será em La Bombonera, cujos portões já estarão abertos. O deslocamento contará com o monitoramento de dois helicópteros, além de 50 motos. A iniciativa visa impedir que qualquer pessoa se aproxime em um raio de 30 metros da delegação durante todo o trajeto. Tudo será acompanhado no Centro de Monitoramento Urbano de Buenos Aires. Drones sobrevoarão as imediações do estádio para evitar surpresas.

O veículo do River não é blindado, mas foi envelopado com uma película antivandalismo que não deixa o vidro das janelas ser estilhaçado. O sistema já passou por teste e foi aprovado em La Plata, antes do confronto com o Gimnasia, pela Superliga Argentina.

“Nada pode acontecer de ruim nesta partida. Não há margem para erros. Estamos inibindo todas as possibilidades de problemas”, disse um funcionário do Ministério da Segurança ao jornal argentino Clarín. “Nos disseram que o translado será cinematográfico”, disse um dirigente do River Plate ao site argentino InfoBae.

A segurança funcionou a contento no jogo de ida. O time do Boca Juniors chegou sem problemas ao Monumental de Nuñez naquele dia. O River Plate venceu a partida por 2 a 0 e agora pode perder por até um gol de diferença que garante a classificação para a final. Na outra semifinal duelam Flamengo e Grêmio no Maracanã – as equipes ficaram no 1 a 1 em Porto Alegre. O empate sem gols é do time do Rio.