Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > O papa recordou que o Natal, que comemora o nascimento de Jesus na tradição cristã, não pode ser resumido “a uma bela festa tradicional” e ao “barulho do consumismo”

Futuro chefe da Casa Civil, Onyx disse que não tem medo de ser “canetado” por Bolsonaro e que já se resolveu com “Deus” por suspeita de caixa dois

Onyx afirma que gosta da "caneta Bic" de Bolsonaro. (Foto: Valter Campanato/Ag. Brasil)

Investigado por suposto recebimento de caixa dois, o futuro ministro da Casa Civil, deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), afirmou nesta sexta-feira (7), em São Paulo, que nunca teve “nada a ver com corrupção” e que ninguém nunca vai vê-lo “envolvido com corrupção”. Em uma entrevista coletiva concedida após encontro com empresários na capital paulista, o futuro ministro disse que não teme nada em relação às suspeitas. Afirmou ainda que não tem medo de ser “canetado” por Bolsonaro. “Gosto tanto da caneta Bic dele [Bolsonaro] que subscrevo a declaração.”

“Se tem um cara tranquilo sou eu. Primeiro, já me resolvi com Deus, o que é importante para mim. Segundo porque, agora com a investigação autônoma, que não é nem inquérito, vou poder esclarecer definitivamente. Nunca tive envolvido com corrupção. A gente não pode ser hipócrita de querer misturar financiamento e o não registro de um recebimento de um amigo, que esse erro eu cometi”, afirmou.

Onyx foi citado em depoimentos de acordo de delação premiado de executivos do grupo J&F. Delatores da holding dos irmãos Batista entregaram à PGR (Procuradoria-Geral da República) uma planilha que, segundo os colaboradores, comprova que o futuro ministro recebeu repasse de R$ 100 mil por meio de caixa 2 em 2012.

Em apuração prévia, a partir de delação premiada do grupo J&F, a PGR analisa se houve repasse de caixa dois a Onyx e a outros políticos. Ao final da apuração prévia é que o Ministério Público decidirá se abre inquérito ou arquiva o caso.

Na última terça (4), o ministro Luiz Edson Fachin, relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal, determinou o fatiamento da delação de executivos do grupo J&F e mandou instaurar procedimentos individuais de apuração de citações a dez parlamentares nos depoimentos dos delatores, entre os quais Onyx.

Questionado sobre o relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) que indicou movimentação financeira atípica de um ex-assessor do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL), Lorenzoni se mostrou visivelmente irritado.

O documento aponta que o ex-assessor parlamentar e policial militar Fabrício José Carlos de Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017. Uma das transações seria um cheque de R$ 24 mil destinado à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

“Setores estão tentando destruir a reputação do sr. Jair Messias Bolsonaro. No Brasil, a gente tem que saber separar o joio do trigo. Nesse governo é trigo. (…) Onde é que estava o Coaf no mensalão, no petrolão?”, disse ele.

Pressionado a esclarecer a origem do dinheiro, disse: “Eu lá sou investigador? Qual é a origem do dinheiro? Quando o senhor [repórter que havia feito a pergunta] recebeu este mês?”. Em seguida, Onyx Lorenzoni abandonou entrevista coletiva.

Deixe seu comentário: