Últimas Notícias > Notícias > Mundo > O Uruguai tem falta de maconha: a produção não é suficiente para abastecer os mais de 47 mil consumidores registrados

Orquestra da Filadélfia retira convite a Plácido Domingo, acusado de assédio

A decisão é uma reação ao surgimento de acusações de assédio sexual feitas por nove mulheres. (Foto: Reprodução de internet)

A Orquestra da Filadélfia anunciou nesta terça-feira (13) ter retirado o convite para que o tenor espanhol Plácido Domingo se apresentasse na abertura da temporada de concertos da instituição, em 18 de setembro. A decisão é uma reação ao surgimento de acusações de assédio sexual feitas por nove mulheres.

“Estamos comprometidos a proporcionar um ambiente seguro, solidário, respeitoso e apropriado para a Orquestra, os funcionários, os artistas, compositores e colaboradores, além do nosso público”, diz comunicado.

No concerto de abertura da temporada, Plácido Domingo se apresentaria com a soprano Adela Zaharia, sob a direção de Yannick Nézet-Séguin. Nove mulheres relataram que o tenor, na década de 80, as assediou sexualmente. O espanhol respondeu que sempre entendeu que as interações e relações que manteve com mulheres eram “bem-vindas e consensuais”.

Domingo disse ainda que as alegações, feitas sob anonimato são profundamente preocupantes e inexatas. “Reconheço que as normas e o padrão atuais são muito diferentes do que eram no passado. Sou um sortudo e privilegiado por ter uma carreira de mais de 50 anos na ópera. Manterei os mais altos padrões”, afirmou o tenor, diretor da Ópera de Los Angeles.

Ópera de Los Angeles

“A Ópera de Los Angeles buscará assessoria externa para investigar as alegações preocupantes contra Plácido Domingo”, disse a casa, em um comunicado. A Ópera de LA está “comprometida em fazer tudo que puder para nutrir um ambiente profissional e colaborativo, no qual todos nossos funcionários e artistas possam se sentir igualmente confortáveis, valorizados e respeitados”.

Domingo, em um comunicado distribuído pela sua relações públicas Nancy Seltzer, chamou as acusações de “profundamente preocupantes e, como apresentadas, imprecisas”.

“Mesmo assim, ainda é doloroso ouvir que eu possa ter chateado alguém ou deixá-las desconfortáveis – independentemente de quanto tempo faz ou das minhas melhores intenções”, disse o comunicado de Domingo. “Eu acreditava que todas minhas interações e relações haviam sido acolhidas e consensuais.” A Ópera de San Francisco e a Orquestra da Filadélfia informaram que cancelaram apresentações de Domingo em setembro e outubro.

A Metropolitan Ópera de Nova York, onde Domingo deve se apresentar em “Macbeth”, no próximo mês, e “Madame Butterfly”, em novembro, disse, em um comunicado, que levou as acusações de assédio sexual e abuso de poder a sério, mas aguardaria os resultados da investigação da Ópera de Los Angeles “antes de tomar decisões finais sobre o futuro do senhor Domingo no Met”.

No comunicado enviado pela sua representante, Domingo acrescentou que, embora não tenha intencionalmente ferido, ofendido ou envergonhado ninguém, “reconhece que as regras e padrões pelos quais somos – e deveríamos ser – medidos atualmente são muito diferentes daqueles do passado”.

Deixe seu comentário: