Últimas Notícias > Notícias > Brasil > A polarização eleitoral entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad, primeiro e segundo colocados nas pesquisas de intenção de voto, aumentou nas redes sociais, os chamados robôs

Os bens de empresários que devem mais de 53 milhões de reais ao governo gaúcho foram bloqueados

A determinação é do Tribunal de Justiça do RS. (Foto: Freepik)

A 3ª Procuradoria Regional da PGE (Procuradoria-Geral do Estado), com sede em Canoas, conseguiu, junto à 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, o bloqueio de bens e a responsabilização pessoal de 12 administradores de um grupo econômico que atua no ramo de postes de madeira e reflorestamento e acumula débitos com o Estado desde 1992, atualmente em valores acima de R$ 53 milhões.

A empresa, que não teve o nome divulgado, era utilizada para acumular as dívidas do grupo econômico em que está inserida. Na sua decisão, a desembargadora afirma que os elementos constantes do instrumento “evidenciam existência de um grupo econômico e a manutenção de empresa a suportar os ônus dos débitos como verdadeira ‘testa de ferro’, de modo a manter saudáveis as demais empresas – ligadas ao mesmo contexto familiar”.

Também esclarece que “a responsabilidade dos sócios, nesses casos, é pessoal, em razão de atos por eles praticados na administração da sociedade. Não se trata de responsabilidade originária da pessoa jurídica e posteriormente transferida aos sócios em razão de situação de abuso da personalidade da empresa”. A coordenadora substituta da 3ª Procuradoria Regional, procuradora do Estado Marciani Lansoni, atua no processo.

Em março de 2017, investigações levaram à responsabilização de sócios e de grupos econômicos de pelo menos outros três grandes devedores, com débitos superiores a R$ 50 milhões cada. “Foi consenso haver necessidade de dar ênfase ao preparo de novos ajuizamentos de execuções fiscais, com medidas executivas prévias, como arrolamento de bens e protesto, assim como o prosseguimento do trabalho contra devedores contumazes e a responsabilização dos sócios administradores, na baixa de ofício no Cadastro Geral de Contribuintes/Tributos Estaduais, quando a empresa baixada possui débitos relevantes”, relatou o procurador.

Sonegação

A Secretaria Estadual da Fazenda apresentou ao Ministério Público, na terça-feira, uma nova relação de empresas apontados por sonegação de ICMS e ITCD, o imposto sobre heranças e doações. O lote compreende 149 representações fiscais para fins penais que visam recuperar R$ 488 milhões entre o imposto que deixou de ser recolhido, multas e juros. Com mais esse lote, a Receita Estadual já contabiliza, desde 2015, um total de 988 denúncias-crime, somando R$ 2,06 bilhões em tributos sonegados.

As empresas do ramo industrial configuram 66% das autuações, somando R$ 323 milhões. A principal irregularidade verificada, por sua vez, é o lançamento de créditos indevidos para abater o valor do imposto que a empresa deveria pagar, representando 69% do montante total (R$ 335 milhões).

As empresas do ramo industrial configuram 66% das autuações, somando R$ 323 milhões. A principal irregularidade verificada, por sua vez, é o lançamento de créditos indevidos para abater o valor de imposto que a empresa deveria pagar, representando 69% do montante total (R$ 335 milhões).

Deixe seu comentário: