Últimas Notícias > CAD1 > Jogando fora de casa, o Inter enfrenta nesta quarta-feira o Bahia com o desafio de manter no segundo turno do Brasileirão a boa campanha colorada

Os candidatos têm o desafio de despertar o interesse de quase 148 milhões de brasileiros nas eleições

Políticos esbarram na ausência de confiança por parte do eleitorado. (Foto: EBC)

Encerrado o ritual de definições partidárias, agora os candidatos estão diante do desafio de despertar o interesse de quase 148 milhões de cidadãos nas eleições gerais de outubro. O tempo até lá é curto: somente oito semanas. E não vai ser fácil mobilizar a atenção e induzir o debate sobre o futuro do País num ambiente permeado pela desconfiança nos políticos.

Mesmo reconhecendo que eleições têm o potencial de mudar os rumos do país, seis em cada dez eleitores ainda relutam: demonstram pouco ou nenhum interesse, repetem nas pesquisas como a recém-divulgada pelo instituto Ibope, sob encomenda da CNI (Confederação Nacional da Indústria).

Prévia desse comportamento pode ser observada nas recentes eleições dos Estados do Amazonas e do Tocantins, quando mais da metade do eleitorado escolheu o chamado não voto, abstendo-se de comparecer, anulando ou votando em branco.

É um fenômeno global e não uma peculiaridade doméstica. No Brasil, porém, a ausência de confiança do eleitorado foi potencializada por razões objetivas, como o desencanto com os governos do PT e do MDB, realçado pelas sequelas deixadas pela gerência irresponsável da economia nos seis anos de Dilma Rousseff. Basta lembrar que o PIB (Produto Interno Bruto) per capita caiu 10% entre 2015 e 2016.

As eleições gerais representam uma oportunidade para o resgate da confiança. São 77,3 milhões de mulheres (52,5% do total) e 69,9 milhões de homens (47,5%) à espera de respostas realistas sobre a recuperação do País.

Dados da Justiça Eleitoral mostram novidades: nas urnas haverá uma ampla maioria (63,2%) de brasileiros com mais de 35 anos de idade, e um contingente (36,8%) mais jovem. Para todos, é essencial o debate franco sobre as perspectivas de progresso social, o futuro da Previdência, da saúde, educação, segurança e do mercado de trabalho.

Realismo

Nesta campanha sem os orçamentos milionários do passado recente (contaminados pelas dádivas financeiras com expectativa de contrapartidas no Tesouro Nacional), espera-se a prevalência do realismo no diagnóstico e nas propostas. É possível antever frustração do eleitorado com a escassa renovação política.

Juntos, parlamentares em busca da reeleição e burocratas administradores do poder e do dinheiro nos partidos impediram a reestruturação do organismo político nacional, inviabilizando milhares de candidaturas renovadoras nos estados.

Aos candidatos é imperativo conseguir a reversão das suspeitas desse eleitorado, justificadamente cético. Caso contrário, o mandato do eleito será desvalorizado a partir da posse.

Um presidente que não consiga, já na campanha, consolidar a confiança da maioria se arrisca a assumir o Palácio do Planalto como refém de negociações pontuais a cada votação no Congresso, dependente de coalizões parlamentares sem compromissos programáticos, como é o caso do chamado “Centrão”.

Deixe seu comentário: