Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
33°
Fair

Brasil Os goianos lideram a lista de brasileiros que retornam ao Brasil após descobrir falsa promessa de trabalho na Inglaterra

A advogada Vitória Nabas ajudou mais de 70 goianos a voltarem para casa. (Foto: Reprodução) 

A história do motorista goiano Marcos Antônio Pedroso é semelhante à de centenas de imigrantes que se mudam para a Inglaterra com a falsa promessa de trabalho, vida e dinheiro fáceis. Segundo a Organização Não Governamental (ONG) Casa do Brasil, que oferece assistência a brasileiros no Reino Unido, nos últimos seis meses, ao menos 280 pessoas que foram enganadas voltaram ao Brasil. Do total, mais de 70 eram goianos.

“As pessoas precisam saber que por mais tentadora que seja a proposta, não existe milagre”, alerta o motorista, que acrescenta ter aprendido da maneira mais difícil.

Com a expectativa de dar um futuro melhor para a família, Marcos Pedroso tirou o passaporte, juntou documentos e foi para Londres. Quinze dias depois, descobriu que foi enganado quando procurou o suposto empregador britânico, que o alertou para a irregularidade dos documentos que tinha recebido.

“Não tinha cama para dormir nem utensílio doméstico. A gente praticamente comia pão e tomava leite. Era o que a gente conseguia”, relata o motorista, que ficou abrigado em uma casa com mais brasileiros.

A promessa de emprego legalizado, salário e dinheiro para enviar à família, que ficou no Brasil, vieram de um conhecido brasileiro, residente na Inglaterra, e que ainda cobrou R$ 18 mil do motorista. No fim da história, Marcos estava em um país que não sabia falar a língua, sem dinheiro e desesperado. Felizmente, ele conseguiu voltar para Goiânia.

A ONG Casa Brasil facilita o retorno voluntário. De acordo com a diretora da organização, a advogada Vitória Nabas, que reside em Londres há 17 anos, mais de 1,2 mil brasileiros retornaram ao país nos últimos cinco anos, após descobrirem as reais dificuldades do dia a dia de um imigrante ilegal.

“São pessoas que não tem dinheiro para comer, viver e querem voltar”, ressalta Nabas.

Em visita a Goiás nesta semana, a advogada procurou o governo estadual para tentar parceria que crie informes aos interessados sobre o procedimento correto para imigrar.

Organizações e serviços assistenciais

Várias instituições oferecem serviços voluntários de assistência a emigrantes. São organizações sem fins lucrativos, religiosas ou filantrópicas que possuem serviços de orientação jurídica, integração do imigrante, proteção a mulheres e crianças, assistência psicológica e auxílio a presos, entre outros.

Além destas, também há as organizações no Brasil que lidam com a temática do emigrante no exterior.

Em muitos casos as entidades constituem aliados importantes dos Consulados para a prestação de serviços complementares à assistência consular. No entanto, elas são independentes, não sendo vinculadas oficialmente ao Ministério das Relações Exteriores.

Veja a lista das entidades e os países onde estão sediadas no site do Itamaraty.

Voltar Todas de Brasil

Compartilhe esta notícia:

“Eu não me arrependo de ter desejado governar a Bolívia por 20 anos”, diz Evo Morales
O governo federal acabou com a necessidade de registro para oito categorias profissionais
Deixe seu comentário
Pode te interessar