Quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Fair

Brasil Os mistérios que ainda intrigam a polícia na morte do marido da deputada federal

A deputada federal Flordelis (PSD). (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

O assassinato do pastor Anderson do Carmo de Souza completou duas semanas no último domingo envolto em mistérios. Embora logo nos primeiros dias a polícia tenha descoberto que a origem do crime é possivelmente uma trama familiar, ainda faltam muitas peças do quebra-cabeça. A investigação sobre a morte do marido da pastora e deputada federal Flordelis suscita uma série de dúvidas, que vão da motivação até o número de pessoas efetivamente envolvidas no homicídio. O casal criou 55 filhos, 51 deles adotivos. As informações são do jornal O Globo.

A Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo, responsável pela investigação, já ouviu dezenas de depoimentos de filhos, netos, genros e noras, além de amigos do casal que frequentavam a casa da família, em Pendotiba, Niterói, onde o pastor foi assassinado.

Algumas das testemunhas, como André Luiz de Oliveira, de 40 anos, filho do casal, já foram ouvidas mais de uma vez na delegacia. Elas são chamadas principalmente para esclarecer informações novas que vão surgindo ao longo da investigação. André prestou depoimento pela segunda vez na última segunda-feira. A própria Flordelis já deu seu relato sobre o crime duas vezes.

A DH também já apreendeu inúmeros documentos, uma arma que pode ter sido usada no crime e mais de vinte celulares de parentes e pessoas da família ou próximas ao casal.

Dois telefones cruciais para a investigação, no entanto, permanecem desaparecidos: o da própria vítima e de Flávio Rodrigues dos Santos, filho biológico apenas de Flordelis, preso sob suspeita de ter matado o padrasto.

Testemunhas relataram à DH que viram o telefone de Anderson na cena do crime. O celular, inclusive, chegou a ser usado por um dos filhos do pastor que enviou mensagens para grupos de WhatsApp horas após o assassinato. A família, no entanto, alega que o aparelho desapareceu.

Em relação ao telefone de Flávio, a polícia acredita que o rapaz tenha conseguido entregar o aparelho para algum parente antes de ser preso. Abordado pelos policiais da DH no enterro de Anderson, o filho de Flordelis ainda conseguiu entrar no carro da família antes de ser levado pelos agentes para a unidade. A polícia investiga a informação de que uma neta de Flordelis jogou um celular no mar, na Praia de Piratininga. Ainda não se sabe de quem seria o aparelho.

Passeio no domingo terminou com crime 

O pastor Anderson do Carmo de Souza foi morto a tiros na madrugada do dia 16 deste mês, na casa da família, em Pendotiba, na Região Oceânica de Niterói. O crime aconteceu pouco depois das 3h, logo após o religioso ter chegado à residência com a esposa, Flordelis. Eles tinham saído sozinhos naquela noite.

A pastora relata que, ao chegarem, ela subiu para o terceiro andar da casa, enquanto o marido permaneceu na garagem. Ela conta que conversava com um dos filhos, quando ouviu o barulho de tiros.

Filho admitiu tiros

A dinâmica divulgada até agora é que o pastor foi atingido na garagem da casa. Câmeras de segurança não registraram a chegada de nenhuma pessoa estranha pela entrada principal do imóvel. As imagens revelaram que, pouco depois das 3h, Lucas Cézar dos Santos, filho adotado do casal, chegou à casa da família. Ele deixou o local sete minutos depois, carregando uma mochila. Lucas está preso, sob suspeita de ter participado do crime.

Voltar Todas de Brasil

Compartilhe esta notícia:

Vacina pneumocócica completa dez anos no Brasil. Dados apontam redução de até 40% no número de internações por pneumonia no país
90% das cidades do mundo têm qualidade do ar inferior ao que é recomendado pela Organização Mundial da Saúde
Deixe seu comentário
Pode te interessar