Home > Notícias > Brasil > Em troca da volta da contribuição assistencial, centrais sindicais oferecem ao governo oposição menor às reformas da Previdência e trabalhista

Para acrescentar conhecimento

Assessores de entidades empresariais vão formular proposta para criação de Escola de Gestão Pública no Rio Grande do Sul. Inicialmente, estará voltada a prefeitos, secretários e vereadores com aulas presenciais, ensino à distância e conhecimentos práticos. Levantamento demonstrou que há recursos federais para sustentar parte dos custos. Irá adiante se não for brecada pela autosuficiência dos que precisam aprender.
É inadmissível que muitos detentores de funções públicas não saibam interpretar o orçamento. Desse modo, acabam nas mãos de tecnocratas que põem os interesses corporativos acima de tudo.

PARTICIPAÇÃO EXEMPLAR

A população de Gravataí deu ontem uma demonstração de convivência pacífica. As principais ruas e avenidas foram tomadas por bandeiras das candidaturas mais fortes. Não houve registro de incidentes. Nova eleição para prefeito ocorre hoje.

INÉRCIA

Foi-se o tempo da euforia nacional. Em dois anos, a retração acumulada atingiu 7,2 por cento do Produto Interno Bruto com efeitos desastrosos na vida de milhões de brasileiros. Pior: nada desperta os governos.

FUNDO VAZIO

A crítica do presidente Michel Temer à situação falimentar do Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Rio de Janeiro tem fundamento. Sucessivos governos negligenciaram sobre a manutenção de um fundo de reserva para aposentadorias. Hoje, para cumprir a obrigação com servidores que contribuíram, recorrem ao caixa do Tesouro, gerando a falta de dinheiro. Os servidores também não se aperceberam do que acontecia.

AOS POUCOS

O governo federal admite: na reforma da Previdência, o degrau criado como regra de transição para começar a valer a idade mínima vai se transformar em uma escada.

PRIMEIRA DEFINIÇÃO

Dos 65 integrantes do diretório estadual e de comissões setoriais do DEM, 61 compareceram à reunião de sexta-feira em Porto Alegre. Começaram a encaminhar a candidatura de Onyx Lorenzoni ao governo do Estado.

INCONFORMISMO

A iniciativa de Gramado vai se ampliar a outros municípios: exigir a melhoria dos serviços da Corsan. O monopólio não significa apenas cobrar tarifas dos usuários. A via é de duas mãos.

NUM REALITY SHOW

Repórteres que convivem com o prefeito de São Paulo, João Dória, são unânimes: ele administra a cidade como se estivesse num programa de TV, com seus passos amplamente divulgados. As pesquisas mostram que a tática dá certo.

PERDEM PARA TARTARUGA

A agenda de votações da Câmara dos Deputados, na próxima semana, incluirá o projeto de lei que aumenta as penas para crimes relacionados à pirataria. Ele foi protocolado em 1999 e, até agora, nada.
Os condenados, atualmente, cumprem pena de detenção. Isto é, regime de prisão semiaberto ou aberto. Nessa condição, voltam a praticar o crime. O projeto que impor a reclusão, para que a sentença seja cumprida numa penitenciária. Os 18 anos sem votação deixam claro: o lóbi da pirataria é forte.

RÁPIDAS

* Obsessão do governo que faz os banqueiros rirem muito: manter os juros em 12,25 por cento, a mais alta do mundo.

* Ulysses Guimarães dizia e repetia: ‘Saliva é combustível do político e não falta’.

* Há 20 anos, o publicitário Carlito Maia apelou para o humor: “Brasil? Fraude explica.” Confirma-se cada vez mais.

Comentários

Notícias Relacionadas: