Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > Polícia encontra 39 corpos dentro de caminhão no Reino Unido

Bolsonaro não descarta que o óleo derramado no Nordeste tenha sido ação criminosa

"Aos que questionam, sempre deixamos clara nossa posição favorável em relação à prisão em segunda instância", disse Bolsonaro. (Foto: Carolina Antunes/PR)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (08) que há uma suspeita de o óleo encontrado em praias da região Nordeste ter sido despejado “criminosamente” no litoral.

Bolsonaro deu a declaração na saída do Palácio da Alvorada, após se reunir com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. As poças de óleo vêm aparecendo em praias nordestinas desde o início de setembro e atingiram 132 localidades em 61 municípios de 9 estados.

De acordo com o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente), a mesma substância está poluindo a costa brasileira. Trata-se de petróleo cru, e não de um produto derivado do óleo. Após se reunir com Salles, Bolsonaro foi questionado se há uma estimativa do volume de óleo encontrado na região. Segundo o presidente, o volume não é constante.

“É um volume que não está sendo constante. Se fosse de um navio que estivesse afundando, por exemplo, estaria saindo ainda óleo. Parece que, não é mais fácil, parece que criminosamente algo foi despejado lá”, disse o presidente.

“É um volume que não está sendo constante. Se fosse de um navio que estivesse afundando, por exemplo, estaria saindo ainda óleo. Parece que, não é mais fácil, parece que criminosamente algo foi despejado lá”, disse o presidente.

No sábado (05), Bolsonaro determinou a investigação das causas e dos responsáveis pelas manchas de óleo. As investigações são conduzidas pela Polícia Federal, Ministério da Defesa, Ibama e o ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).

Na segunda-feira (07), o presidente discutiu a situação em uma reunião no Ministério da Defesa. Após o encontro, ele disse a jornalistas que as manchas são “analisadas” desde 2 de setembro e frisou que o óleo não é produzido e nem comercializado no Brasil.

Segundo o presidente, o aparecimento das manchas pode ter origem criminosa ou acidental. De acordo com ele, existe um país “no radar”, mas Bolsonaro não quis dizer qual.

Nesta terça-feira, Bolsonaro foi perguntado pela imprensa sobre qual seria o País de origem do óleo. “É reservado. É reservado, eu não posso acusar um País. Vai que não é aquele País, eu não quero criar problemas com outros países. É reservado”, respondeu.

Limpeza dos locais afetados

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que estava ao lado de Bolsonaro na saída do Alvorada, afirmou que o governo está trabalhando simultaneamente na limpeza dos locais afetados e na investigação para descobrir a origem do óleo.

Esse fluxo de óleo foi para a costa, depois a maré trouxe de volta para o mar, depois voltou para a costa novamente, depois trouxe de volta, é um movimento que tem ido para a costa e voltado”, disse.

O nosso papel é agir rápido para retirar aquilo que está em solo e também aprofundar a investigação para descobrir a origem, e isso está sendo feito sob a ordem do presidente para a gente responder o mais rápido possível, e tecnicamente”, afirmou.