Domingo, 15 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Partly Cloudy

Brasil Pela reforma da Previdência, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, articula conversas com os 513 deputados

Para ministro, capitalização é fundamental para gerações futuras. (Foto: Arquivo/Agência Brasil)

Auxiliares do ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) estão montando um cronograma para conversar individualmente com cada um dos 513 deputados sobre as mudanças nas regras da aposentadoria. A ideia é apresentar o texto e responder as dúvidas dos parlamentares. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

O governo também pretende distribuir uma cartilha aos deputados. Querem que, uma vez que o projeto esteja na rua, todos possam defendê-lo em suas bases com conhecimento de causa.

Campanha

Uma das principais preocupações da equipe de Paulo Guedes (Economia) é conseguir explicar de maneira eficaz o que é e como vai funcionar a transição na reforma da Previdência.

O time que trabalha na campanha publicitária das novas regras de aposentadoria desenvolve peças específicas para ressaltar que, se aprovada, a idade mínima não vai valer de imediato. O grupo avalia que Michel Temer falhou ao explicar este ponto quando apresentou sua proposta, o que fortaleceu a oposição. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

O esforço para ressaltar a regra de transição vai servir, inclusive, para exaltar a acomodação política feita para agradar tanto ao presidente como ao ministro da Economia. Os técnicos já apostavam na viabilidade da proposta vencedora porque ela atende ao que pregava Bolsonaro (a idade mínima das mulheres será de 57 anos e a de homens de 62 ao fim deste mandato), mas também agrada a Guedes (no fim da transição, em 2031, o piso será de 65 para eles e 62 para elas).

Líderes de partidos alinhados ao Planalto fizeram chegar à equipe de Guedes que, caso a proposta de reforma da Previdência mexa na aposentadoria rural, os deputados vão votar contra o governo.

Reforma

O presidente Jair Bolsonaro e a equipe econômica do governo decidiram que a proposta de reforma da Previdência fixará idade mínima de aposentadoria de 65 anos para homens e 62 para mulheres, com um período de transição de 12 anos. A proposta será encaminhada ao Congresso Nacional na quarta-feira (20).

As informações são do secretário especial de Previdência, Rogério Marinho, ao final da reunião com o presidente, no Palácio da Alvorada. Foram cerca de duas horas de reunião, com a participação dos ministros da Economia, Paulo Guedes; da Casa Civil, Onyx Lorenzoni; e da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz.

Marinho disse que a equipe econômica defendeu uma idade mínima de 65 anos para homens e para mulheres. Já o presidente discordava da idade mínima das mulheres: queria 60 anos. Além disso, o tempo de transição desejado pelos economistas era de dez anos, algo também negociado por Bolsonaro, que queria 20 anos de transição. No final, o consenso ficou em 12 anos.

Depois de assinar o texto da reforma, na próxima quarta-feira, Bolsonaro vai fazer um pronunciamento à nação para explicar a necessidade de mudar as regras para aposentadoria no País. “O presidente fará um pronunciamento à nação, explicando de que forma essa nova Previdência vai ser encaminhada ao Congresso para ser discutida. E esperamos que seja aprovada brevemente”, disse Marinho.

Voltar Todas de Brasil

Compartilhe esta notícia:

O texto da reforma da Previdência deve prever que policiais federais e policiais rodoviários federais cumpram a idade mínima de 55 anos para ter direito à aposentadoria
O Palácio do Planalto admitiu que a situação do ministro da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno, é insustentável
Deixe seu comentário
Pode te interessar