Últimas Notícias > Colunistas > Bárbara Veit > Reforma fiscal americana, por que não copiar?

Penitenciárias privadas

Presídio Central de Porto Alegre. (Foto: Banco de Dados)

Considerado um dos piores presídios brasileiros pela rede BBC Brasil, o Presídio Central de Porto Alegre não suporta mais receber presos.

A incompetência do Estado em gerir e administrar as penitenciarias está destruindo a dignidade daqueles que ali estão. Fica-se muito aquém do objetivo que deveria ser cumprido, que é o de ressocializar aqueles que cometeram crimes, mas que, no futuro, provavelmente voltarão a viver em nossa sociedade.

O Estado, desde sua origem, tem o monopólio da segurança, e com isso tem o dever de proteger seus cidadãos. No entanto, isso não significa que deva construir prédios, administrar e gerenciar a rotina desses complexos penitenciários.

A excelente ideia de privatizar os presídios seria para que o Estado passasse a fiscalizar a administração privada e com isso cobrasse dos empresários responsáveis o bom funcionamento desses locais.

É tanto o descaso com tais infratores que estamos chegando à beira da calamidade. De fato, o que está acontecendo hoje não tem relação alguma com os diretos humanos. Nós, liberais, defendemos o direito à vida, e junto está a dignidade do indivíduo. Todos podem errar, mas devem pagar enfrentando o rigor da lei quando o fizerem.

O empreendedorismo e a competição são os motores que movem o mundo, criam eficiência e riquezas, seja em qual área for. Então, por que não criar um modelo no qual o Estado escolhe o presídio em que vai colocar um contraventor? A disputa entre eles para ser o presídio escolhido pelo Estado será grande, e isso incentivará a melhoria nessas casas prisionais.

Quanto ao lucro, é claro que haverá. Nenhuma empresa pode trabalhar somente para causas voluntárias. Mas ganhará bem aquele que fizer bem. Essa é uma tentativa de modificarmos a triste realidade que eu, você, nossos amigos e familiares estamos vivendo. No final, todos nós estamos torcendo, dia após dia, para não virarmos mais um número nas estatísticas.

Fabio Steren – Consultor em segurança, empresário e associado do IEE

Deixe seu comentário: