Domingo, 19 de Janeiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
32°
Partly Cloudy

Notícias Pesquisadores descobrem câncer por meio da urina utilizando ouro

Para isso, basta que o paciente receba uma injeção de um líquido contendo nanopartículas (nanoclusters) de ouro e proteínas. (Foto: Divulgação/Spark)

Pesquisadores do Imperial College London e do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) desenvolveram um teste simples para detecção do câncer utilizando urina e ouro. Para isso, basta que o paciente receba uma injeção de um líquido contendo nanopartículas (nanoclusters) de ouro e proteínas. Até agora, no entanto, a novidade fez efeito apenas em ratos de laboratório e conseguiu detectar câncer de cólon, mas os resultados são promissores.

Encontrar o câncer em um estágio inicial pode ter um enorme impacto nos resultados do tratamento. No entanto, muitos testes deste tipo são invasivos, caros e demorados, além de exigir uma visita a um hospital ou clínica. Isso dificulta a triagem de rotina, especialmente para quem mora em áreas periféricas. Mas, com este novo método, toda a logística e assertividade podem ser melhoradas.

Explicando melhor

O procedimento é relativamente simples: basta uma injeção contendo ouro e proteínas transportadoras diretamente na corrente sanguínea, seguida de uma avaliação visual de uma amostra de urina metabolizada após o procedimento. Se essa urina mudar de cor, significa que o resultado foi positivo para câncer.

Enzimas chamadas metaloproteinases (MMPs) são altamente ativas em muitos tipos de câncer e tumores. Como as proteínas são digeridas pelas enzimas, se aparecer ouro na urina após a metabolização da injeção pelos rins, significa que há câncer no organismo.

Em outras palavras, os pesquisadores projetaram a ligação entre o ouro e as proteínas para que o conjunto fosse facilmente detectável pelas enzimas no xixi.
Após coletar a urina, o líquido é tratado com água oxigenada e um substrato químico colorífico que muda a cor do xixi para azul, dada a presença dos nanoclusters. Segundo os pesquisadores, é possível injetar proteínas específicas para determinar certos tipos de câncer, tornando o resultado ainda mais preciso.

No estudo, a urina testada ficou azul somente em ratos portadores de tumores de cólon, sugerindo que o teste é sensível o suficiente para diagnosticar este tipo da doença. “Ao tirar proveito de uma reação química que produz uma mudança de cor, esse teste pode ser administrado sem a necessidade de instrumentos de laboratório caros e difíceis de usar”, disse Molly Stevens, uma das pesquisadoras envolvidas no estudo. Mais estudos precisam ser conduzidos, até que exista liberação para aplicação na indústria médica.

Voltar Todas de Notícias

Compartilhe esta notícia:

Saiba como foram os desfiles de Sete de Setembro em Porto Alegre e em outras cidades gaúchas
Antes de ir aos Estados Unidos, Bolsonaro quer tirar ex-chanceler de Dilma da ONU
Deixe seu comentário
Pode te interessar