Últimas Notícias > Notícias > Política > Rede de academias já conta oito clientes presos na Operação Lava-Jato

Polícia investiga tortura contra surdo em supermercado de Caxias do Sul

A ação foi filmada e repassada por WhatsApp. (Foto: Reprodução/ Yourube)

A Polícia Civil investiga um caso ocorrido no dia 26 de setembro, de duas pessoas suspeitas de tortura e injúria a um colega surdo, de 22 anos, em um supermercado, em Caxias do Sul, na Serra do Rio Grande do Sul.

Os dois funcionários do Supermercado Andreazza amarraram com sacos plásticos os braços do jovem a um corrimão e gravaram um vídeo. As imagens foram repassadas por WhatsApp. Os dois que participam do vídeo já foram identificados e demitidos por justa causa assim que a empresa tomou conhecimento do fato, após a divulgação das imagens nas redes sociais.

O delegado que está apurando o caso, Vítor Carnaúba, definiu a cena como ridícula e totalmente descabida. “Pela análise dos depoimentos e das imagens, entendemos que, além de injúria racial, se trata, em tese, de um crime de tortura. Entendemos como tortura, pois é submeter uma pessoa, que tem alguma deficiência e não tem meios de se defender, a uma situação vexatória e humilhante. É um intenso sofrimento, logo, é uma tortura ” aponta o chefe da 1ª Delegacia de Polícia.

Em nota, o Grupo Andreazza disse que repudia o fato e que este não é condizente com o posicionamento do Grupo.

“O Grupo Andreazza tem sua trajetória marcada pelo respeito à diversidade e dignidade humana. Acreditamos na boa convivência das diferenças como parte essencial na construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Com relação aos eventos lamentáveis ocorridos em nossa unidade em Caxias do Sul, expressamos nosso total repúdio. Esse caso, nada condizente com o posicionamento do Grupo, já recebeu nossa devida atenção, e acompanhamos de perto desde que dele tomamos conhecimento.

Informamos que a responsabilidade pelo fato já foi apurada e os envolvidos desligados da nossa empresa, bem como nossa solidariedade e suporte ao funcionário acometido por ela, além de sua família. Desde 2009, o Grupo Andreazza contrata e acolhe pessoas com deficiência (PcD), sempre atento às necessidades específicas e à satisfação de cada um. Premiado e amplamente reconhecido, o programa “Eficiência em Ação” desenvolve a criatividade, o trabalho em equipe e as habilidades dos funcionários com deficiência, além de disseminar em todo Grupo a importância do respeito à diversidade.

O Grupo Andreazza reforça seu comprometimento com o bem-estar de funcionários, fornecedores e clientes que nos visitam todos os dias. Ainda, nos colocamos à disposição das autoridades competentes para possíveis esclarecimentos complementares.”