Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Quase dois meses após a cirurgia na próstata, Michel Temer passa por novos exames. Conforme os médicos, ele se recupera bem

Polícia já tem pistas sobre aliciadores do jogo Baleia Azul

No Facebook, há diversas comunidades sobre o Baleia Azul (Foto: Reprodução)

Após instaurar inquérito para apurar o aliciamento de crianças e adolescentes para o jogo Baleia Azul no Rio de Janeiro, a Polícia Civil começa a desvendar rastros da quadrilha que tenta convencer as vítimas a tirar a própria vida. Cruzamento de dados iniciado pela DRCI (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática) em redes sociais já permitiu à especializada obter indícios preliminares sobre os criminosos que estão por trás da rede de incentivo ao suicídio.

A delegada responsável Fernanda Fernandes mantém as informações sobre os suspeitos em sigilo para não atrapalhar as investigações. Mas ela já sabe que o primeiro contato dos aliciadores com as vítimas – a maioria delas tem de 12 a 14 anos – ocorre como um convite inocente para um jogo desafiador, por meio de redes sociais, sobretudo o Facebook. Ludibriados pela promessa de experimentar uma simples aventura virtual, os menores não sabem que estão sendo caçados por uma associação criminosa.

Segundo a delegada, uma vez capturado, o jovem é submetido ao perigo de uma profunda pressão psicológica. A vítima é coagida a cometer atos de automutilação, como desenhar uma baleia com objeto cortante no braço, entre outros desafios muito perigosos. A tarefa final, seria atentar contra a própria vida.

“Há relatos de que há uma coação para as vítimas não desistirem do jogo. Os relatos são de pressão psicológica mesmo, de que se a vítima não se matar, ela vai ser morta de qualquer jeito, ou então eles ameaçam parentes próximos”, explica a delegada.

No Facebook, há diversas comunidades sobre o Baleia Azul. Nelas, perfis com fotos de criança pedem orientações para participar. “Oi, como posso jogar?”, questionou um menino. Uma internauta alertou: “Se entrar no jogo, não pode mais sair”. (AD)

Deixe seu comentário: