Últimas Notícias > Colunistas > Fatos históricos do dia 22 de novembro

Portas fechadas

Se conseguir dinheiro para as campanhas do ano passado já foi difícil, tesoureiros dos partidos avaliam que em 2018 ficará pior. Alguns chegaram a quebrar os dedos de tanto bater em portas que não se abriram.
Pelo fato de serem eleições de muito mais projeção, os holofotes vão recair fortemente sobre os financiadores. A grande maioria quer ficar fora para não se incomodar. Será a decisão mais inteligente.

JOGO DE XADREZ

Toda a vez que o governador José Sartori faz um pronunciamento, fica subentendida a mensagem: paciência, tenham paciência.
A pergunta: até quando?

PULO À CAPITAL

Comitiva de deputados estaduais irá terça-feira a Brasília pressionar no sentido de obter melhores condições de renegociação da dívida com a União. A sessão plenária da Assembleia, desde já, fica cancelada, dando ao Executivo mais tempo para tentar aprovar o que resta do pacotão.

RESISTENTE

Em dezembro do ano passado, muitos achavam que o secretário estadual da Fazenda, Giovani Feltes, assumiria sua vaga na Câmara dos Deputados, porque não suportaria a batata assando em suas mãos. Este mês, decidiu usar luvas de amianto e continuar firme, pilotando o fogão das finanças do Estado.

DISTÂNCIA

Em 1991, encerrada a greve do magistério, o secretário estadual Orion Cabral ofereceu uma sala no prédio da Fazenda para que as lideranças da categoria acompanhassem o ingresso da receita mensal e a destinação para as despesas. O objetivo era fazer uma radiografia em conjunto para buscar soluções.
Os convidados jamais apareceram.

MEMÓRIA CURTA

Faltam cinco anos para o bicentenário da Independência do Brasil. Tempo suficiente para organizar as comemorações.
Em 1989, quase todo o governo brasileiro se deslocou a Paris para as festas dos 200 anos da Queda da Bastilha, aproveitando a boca livre. Passagens e estadias pagas por nós. Em 1992, ano do bicentenário da morte de Tiradentes, pouco ou quase nada foi assinalado.

O PREFERIDO

A 10 de março de 2007, houve o anúncio de que o deputado Michel Temer permaneceria por mais dois anos na presidência nacional do PMDB. Era a quarta recondução ao cargo.
Conhece todos os meandros do partido que está no poder desde a redemocratização.

RÁPIDAS

* Quando a União diz que não pagará ao Rio Grande do Sul os 46 bilhões de reais da Lei Kandir, manda recado aos devedores de impostos: façam o mesmo conosco.

* O PTB cogita lançar o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, como candidato ao governo do Estado ou a vice numa chapa que venha a apoiar.

* A Democracia, por si só, não é antídoto à corrupção.

* Bertold Brecht: “Não há pior analfabeto do que o analfabeto político.

* Mesmo desgastada com as enrolações, a maioria dos eleitores ainda aguarda por um País igualitário, justo e viável.

* O Congresso Nacional anda confuso: não sabe se julga desvios de conduta ou condutas de desvios?

* À medida que as chamas sobem na vida pública, aumenta o número de personagens alfandegários: nada têm a declarar.

Deixe seu comentário: