Sexta-feira, 13 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Mostly Cloudy

Brasil Presidente Bolsonaro deve definir nesta quarta o novo valor do salário mínino, disse o ministro Onyx Lorenzoni

Para o ministro, a Previdência hoje no Brasil é “um navio que está com o casco furado”. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Com a posse no Congresso Nacional, o novo governo já está no comando do País, mas, segundo o novo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, as primeiras ações de governo do presidente Jair Bolsonaro só devem começar nesta quarta (2). Uma das primeiras medidas que Bolsonaro deve decidir trata do orçamento e do novo valor base para o salário mínimo.

O novo ministro, disse que o novo governo vai trabalhar para aproximar o País de economias mais desenvolvidas. Segundo ele, o presidente Jair Bolsonaro vai manter “coerência” com o discurso mantido desde o período da campanha e trabalhar para ampliar estas fronteiras.

“O Brasil tem que se aproximar das nações mais desenvolvidas para ampliar não apenas as relações comerciais mas as trocas tecnológicas. É muito importante para nosso País recuperar o tempo perdido”, disse. “As questões administrativas que envolvem o governo serão definidas amanhã (quarta-feira)”, resumiu Onyx.

A relação com o Congresso tem sido tratada com dedicação pela equipe de Bolsonaro. O governo não quer manter a política conhecida como “toma lá dá cá”, em que cargos são oferecidos em troca de apoio nas votações. A aposta da equipe é que será possível aprovar projetos importantes dentro de um novo modelo de relação com o Parlamento.

Gustavo Bebbiano, secretário Geral da Presidência, afirmou que o jogo político é inevitável e disse estar otimista com a renovação das cadeiras na Câmara e no Senado e na força do apoio que levou a vitória de Bolsonaro nas últimas eleições. “Não dá para pensar Brasil de forma açodada. Merece um planejamento e estrutura e em paralelo á isto há um jogo político que a democracia impõe. Não há outro caminho. Contamos com o apoio popular e acreditamos que o Congresso renovado conseguiremos caminhar para o sucesso”.

Também no Planalto, a ministra da Família, Mulheres e Direitos Humanos, Damares Alves, evitou anunciar novidades que começarão a ser divulgadas a partir desta quarta, mas garantiu que “são muitas” e que, a partir de hoje (terça-feira), “nasce um novo tempo do Brasil. A esperança é a palavra de ordem. Uma equipe pronta, algumas mudanças de imediato e outras ao longo dos anos”.

Inflação para 2019

A inflação para o consumidor deve subir para 4,01% em 2019. Essa é a previsão para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) feita por instituições financeiras consultadas todas as semanas pelo BC (Banco Central).

Taxa Selic

De acordo com o mercado financeiro, a Selic deve terminar 2019 em 7,13% ao ano (mediana das expectativas, que desconsidera os extremos das projeções). A previsão anterior era 7,25% ao ano. Para 2020 e 2021, a expectativa é 8% ao ano.

Quando o Copom (Comitê de Política Monetária) aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação.

A manutenção da taxa básica de juros indica que o Copom considera as alterações anteriores suficientes para chegar à meta de inflação.

Voltar Todas de Brasil

Compartilhe esta notícia:

Cavalo rouba cena durante posse de Bolsonaro
A posse presidencial nem sempre foi em 1º de janeiro. Saiba mais
Deixe seu comentário
Pode te interessar