Home > CAD1 > O desejo de independência da Catalunha talvez tenha sido a primeira vítima colateral do atentado de Barcelona

Presidente de clube na Tunísia é banido do futebol por beijar e morder orelha de juiz

Moncef Khemakhem, presidente do Club Sfaxien, beija um bandeirinha após o jogo. (Foto: Reprodução/YouTube)

Moncef Khemakhem, presidente do Club Sfaxien, da Tunísia, foi banido para sempre do esporte pela FTF (Federação Tunisiana de Futebol) por beijar e morder a orelha de um árbitro assistente logo após uma partida. O próprio cartola afirmou também ter dado duas “palmadinhas” nas nádegas do bandeirinha. As informações são do diário espanhol “Marca”.

O fato aconteceu depois de um clássico contra o Etoile du Sahel, no início de março, vencido pelo Sfaxien por 3 a 2. O duelo foi decidido graças à marcação de um pênalti no mínimo duvidoso, segundo a imprensa local, quando o jogo ainda estava empatado em 2 a 2. “Tivemos o nosso presente”, chegou a afirmar Moncef Khemakhem em alusão ao ocorrido. Os gestos após o apito final teriam sido uma forma de agradecer a marcação da penalidade.

De acordo com a FTF, o dirigente tunisiano também foi multado em 30 mil dinares, o equivalente a cerca de R$ 38 mil. Na avaliação da entidade, o comportamento de Moncef Khemakhem configurou “comportamento perigoso e antidesportivo”, “atentado ao pudor” e “falta de boas maneiras”.

O comunicado da Federação Tunisiana de Futebol acrescenta ainda que o cartola reconheceu ter protagonizado “gestos obscenos contra um árbitro assistente” com o objetivo de “pressionar a arbitragem”. Em seguida, ainda segundo a entidade, Moncef Khemakhem também teria se gabado de “haver alcançado seus objetivos”. A decisão da FTF veta a participação do dirigente em qualquer atividade relativa ao futebol daqui em diante.

Veja, abaixo, a cena que gerou toda a polêmica:

 

Comentários