Últimas Notícias > | > Governo faz novas demissões no Ministério da Educação

Reajuste no valor de medicamentos será de 4,33%

Medicamentos podem pesar no orçamento (Foto: EBC)

A alta no valor dos medicamentos em 2019 irá girar em torno de 4,33%, conforme informado pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED). O aumento terá validade a partir do mês de abril e não se dará por um índice fixo (aplicado a todos produtos de uma mesma maneira). Produtos com maior concorrência sofrem menor reajuste, enquanto os menos disputados possuem um aumento maior. “Esse aumento já era esperado e passará a ser sentido nos próximos meses pelos clientes, sendo que as lojas ainda possuem estoques pré-aumento. A dica que dou é que se pesquise preços, pois mesmo com os valores tendo um teto fixado, podem ser obtidos bons descontos”, explica Edison Tamascia, presidente da Federação Brasileira das Redes Associativistas e Independentes de Farmácias (Febrafar).

Importância do preço para o consumidor

A importância do preço no momento da aquisição de produtos pelos consumidores foi um dos pontos abordados pela Pesquisa de Comportamento do Cliente na Farmácia 2019*. O levantamento entrevistou 4 mil clientes em todo país. Ao serem questionados sobre quais são os critérios para escolher uma farmácia, ficou claro que os clientes priorizam a economia e a comodidade. Do total de entrevistados, 64,95% afirmaram acreditar que as farmácias onde efetuaram suas compras têm preços mais baixos que os concorrentes e 24,50% apontaram a localização como fator importante para a escolha. Além dos fatores, foram considerados também: o estoque (6,25%), a facilidade de estacionar (1,58%), possuir atendimento da Farmácia Popular (1,35%) e o bom atendimento (0,88%).

Falta de pesquisa do consumidor

Outro dado da pesquisa aponta que a maioria da população não pesquisa antes da comprar. Quase 90% dos entrevistados afirmaram que não pesquisaram antes de efetuar a compra; 8,70% constataram que apenas não pesquisaram preços no dia específico, mas que costumam ter o hábito, e 2,88% disseram que sempre realizam o comparativo. “Embora os clientes apontem o preço baixo como principal fator da escolha da farmácia, a pesquisa demonstrou que eles não fazem comparação de preços a cada compra”, apontou Tamascia. Segundo ela, os entrevistados, no geral, se baseiam em comparações realizadas no passado, construindo uma percepção sobre o estabelecimento.

*A pesquisa foi realizada pelo Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Continuada (IFEPEC) em parceria com o NEIT (Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia), do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas.

Deixe seu comentário: