Últimas Notícias > Colunistas > Armando Burd > Questão fundamental

Recordista Mundial, Rodrigo Koxa volta a “surfar” onda gigante portuguesa em Nova York

(Foto: Divulgação)

Nesta sexta (15), às 11h (horário de Brasília), a maior onda do mundo será surfada novamente pelo brasileiro Rodrigo Koxa, mas desta vez em Nova York. Não, não será nas águas do Rio Hudson. Trata-se, na verdade, de uma versão digital da onda gigante de Nazaré, em Portugal, que rendeu o recorde ao surfista paulista em abril deste ano.

Desta vez, o “pico” será a Times Square, que terá seus telões leds gigantes projetados com as ondas da Nazaré, em Portugal, inclusive a onda de 24,3 metros que o Rodrigo Koxa surfou. O lançamento desta campanha do Turismo de Portugal contará com a presença do primeiro-ministro Português, António Costa.

A ação é promovida pelo Turismo de Portugal, que assim visa aumentar a promoção turística nos Estados Unidos. Ao lado do Brasil, os norte-americanos são os maiores emissores de turistas ao país luso entre as nações não-europeias. Além de António Costa, a ação contará com a presença de outras autoridades portuguesas, como Ana Mendes Godinho, secretária do Turismo de Portugal, e também americanas, além da cúpula da World Surf League (WSL)

Portugal não é apenas a terra – ou o mar – das ondas gigantes de Koxa, McNamara e tantos outros. O país se notabiliza cada vez mais como referência no surf pela diversidade de praias e ondas, com opções para todos os níveis de dificuldade. No país mais ocidental da Europa, não é exagero dizer que se pode surfar em 365 dias do ano, de norte a sul, incluindo as ilhas. Num raio de 100 km, é possível encontrar mais de 200 ondas diferentes para surfar. “Não há como falar de surf e não falar de Portugal. Recebemos os principais campeonatos do mundo e isso certamente traz frutos para o turismo, seja para praticantes ou simples espectadores”, diz Bernardo Cardoso, diretor do Turismo de Portugal no Brasil.

Para Cardoso, “um dos motivos que fazem de Portugal o melhor destino do mundo é, certamente, a variedade de praias que o país oferece, de norte a sul, incluindo as ilhas. Além disso, os 300 dias de sol por ano fazem do país um dos principais destinos do mundo quando o assunto é surf, sendo inclusive o país mais pesquisado no meio digital em assuntos relacionados ao esporte.”

Rodrigo Koxa não deixa de exaltar Portugal que, segundo ele, sempre acolheu bem a todos os brasileiros. Para ele, Portugal é o lugar perfeito para qualquer tipo de surfista. “O surf em Portugal é incrível em qualquer época do ano. Você consegue ter diversas opções de ondas, desde tubos até as gigantes. Para quem quer aprender, tem muitas escolas nas areias. É um lugar propício para qualquer surftrip, Portugal tem uma costa de visuais maravilhosos, com facilidade de hospedagem, ótimas estruturas e uma gastronomia rica. Quem vai, planeja voltar. Em outubro, vou para minha sexta temporada em Portugal, e não vejo a hora”, diz.

É a primeira vez que o surfista vai à maior cidade dos EUA, e ele diz estar realizando um sonho. “Fico muito feliz e honrado com essa oportunidade de conhecer Nova York, ainda mais dessa forma. Sempre ouvi falar muito da Times Square, e sinceramente nunca imaginei conhece-la com minha onda projetada nela. Estou concretizando um sonho de criança. Não vejo a hora de ter a minha onda em uma ‘selva’ urbana, é a primeira vez que a verei no tamanho oficial, em um lugar cheio de vida e história”, completa.

Quem também vai aparecer nas “areias” da Times Square é o antigo detentor do recorde, o norte-americano Garett McNamara, que em 2011 surfou, na mesma Praia do Norte, uma onda de 24 metros.

Portugal: o país do surfe

Em um raio de 100km, é possível surfar 200 tipos de ondas diferentes em Portugal, motivo pelo qual o país já é considerado uma das capitais mundiais do surfe.
Um dos mais conhecidos spots é Peniche, na região central, onde se realiza a etapa portuguesa do Mundial, mais precisamente na Praia de Supertubos, cujo nome já indica a grande presença de ondas tubulares de até quatro metros, além de ser reconhecida pela sua qualidade ambiental.

Aos que se aventuram nas grandes ondas, o pico é a cidade de Nazaré, conhecida mundialmente pelas big waves da Praia do Norte, onde está a maior onda do mundo. A Ericeira, Santa Cruz e Figueira da Foz, são também referência para surfar no centro do pais. Para quem quer pegar ondas na região de Lisboa, por exemplo, há spots em Carcavelos, Costa de Caparica e Guincho. No Norte, há praias como Espinho e Matosinhos, na região do Porto.

Para quem busca surfar no sul do país, destaque para Sagres, Cordoeira e praia do Amado, no Algarve e a costa vicentina, no Alentejo, que também oferecem praias para todos os níveis de dificuldade. Por fim, as ilhas também têm suas ondas, com destaque para as praias das Contendas e de Santa Bárbara, nos Açores, e Lugar de Baixo, na Madeira.

Com ondas simples e complexas, tubos e big waves, Portugal oferece uma grande diversidade de praias para a prática do esporte em toda a sua costa. Cabe ao surfista escolher o melhor pico e pegar ondas onde quiser – além de ter a oportunidade de conhecer um país único, autêntico e genuíno, e de um povo que gosta de receber bem todos os que o visitam!

Deixe seu comentário: