Últimas Notícias > CAD1 > O time feminino do Grêmio é o novo campeão gaúcho da modalidade. Título foi conquistado com vitória sobre o Inter nos pênaltis

Reino Unido expulsa 23 diplomatas russos após envenenamento de ex-espião

Homem retira bandeira russa da embaixada do país em Londres. (Foto: Reprodução)

A primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou nesta quarta-feira (14) a expulsão de 23 diplomatas russos em retaliação contra o envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal na Inglaterra. Os contatos bilaterais de alto nível com a Rússia, que nega qualquer envolvimento no ataque, também foram suspensos.

A premiê afirma que esses diplomatas, que têm uma semana para deixar o Reino Unido, foram identificados como “oficiais de inteligência não declarados”. Essa é a maior expulsão de representantes estrangeiros do Reino Unido desde a Guerra Fria, de acordo com a Associated Press.

Responsável por ataque

O Reino Unido acredita que a Rússia seja responsável pelo ataque contra Sergei Skripal, que é ex-coronel do serviço de inteligência e tinha refúgio no Reino Unido. Theresa May já havia dado um ultimato para o Kremlin esclarecer o caso. Porém, Moscou se recusou e afirmou que só se pronunciaria após receber uma amostra da substância que foi usada no envenenamento do ex-espião.

“Não há nenhuma conclusão alternativa, além do fato de que o Estado russo foi culpado pela tentativa de assassinato de Skripal e sua filha e por ameaçar a vida de outros cidadãos britânicos em Salisbury”, afirmou May. “Isso representa um uso ilegal da força pelo Estado russo contra o Reino Unido”, declarou, segundo a Reuters.

Entre as medidas de retaliação anunciadas por May, estão também:

família real britânica e ministros não irão comparecer à Copa do Mundo da Rússia, que começa em meados de junho;

aumento do controle em voos privados e na alfândega;

congelamento de ativos do estado russo, contra os quais haja evidências de que podem ser usados para ameaçar a vida ou a propriedade de cidadãos ou residentes do Reino Unido;

revogou o convite ao ministro das Relações Exteriores russo, Sergey Lavrov, para visitar o Reino Unido.

Ação hostil e injustificada

Até a decisão anunciada nesta quarta, a Rússia dispunha de 59 diplomatas credenciados no Reino Unido, de acordo com a France Presse. A embaixada da Rússia em Londres considerou a expulsão de 23 deles de uma ação “hostil e injustificada”.

“Consideramos essa ação hostil totalmente inaceitável, injustificada e míope. Toda a responsabilidade pela deterioração do relacionamento Rússia-Reino Unido reside na atual liderança política da Grã-Bretanha”, afirmou em comunicado. O governo russo já tinha afirmado que qualquer medida punitiva provocaria uma resposta.

Conselho de Segurança da ONU

A chefe do governo britânico pediu uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) para informar o Conselho sobre o envenenamento do ex-espião russo, anunciou a presidência holandesa em exercício da mais alta instância da ONU.

A escalada na tensão acontece em um momento em que o Reino Unido se prepara para deixar a União Europeia e às vésperas da eleição presidencial na Rússia, em que o presidente Vladimir Putin é favorito.

Envenenamento

Sergei Skripal, de 66 anos, e sua filha Yulia, de 33 anos, foram contaminados por um agente nervoso na cidade britânica de Salisbury, em 4 de março. Eles foram encontrados inconscientes em um banco da catedral da cidade e foram levados ao hospital, onde estão internados em estado crítico. O caso está sendo tratado como tentativa de homicídio.

Skripal traiu dezenas de agentes russos para a inteligência britânica antes de ser preso, em Moscou, em 2004. Ele foi sentenciado a 13 anos de prisão, em 2006, e em 2010 recebeu refúgio do Reino Unido, após ser trocado por espiões russos.

Um policial britânico que foi um dos primeiros a atender Skripal também foi afetado pelo agente nervoso. Ele está consciente, em situação séria, mas estável, de acordo com a polícia.

Deixe seu comentário: