Últimas Notícias > Notícias > Brasil > MP-SP apura suposto enriquecimento ilícito de Ricardo Salles

Rio Grande do Sul pode fechar safra de verão com mais de 30 milhões de toneladas de grãos

Levantamento de condições das lavouras foi divulgado pela Emater/RS-Ascar na Expodireto. (Foto: Palácio Piratini/Divulgação)

O Estado poderá colher a maior safra de grãos de verão dos últimos anos, de acordo com levantamento de condições das lavouras divulgado pela Emater/RS-Ascar nesta terça-feira (7). A safra de verão 2016/2017 deverá alcançar uma produção de 30,86 milhões de toneladas, causando impacto econômico no valor bruto superior a R$ 29 bilhões.

O balanço foi anunciado durante o tradicional Café com Leite para a Imprensa, na Casa da Família Rural, na Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque. Os dados coletados em todo o Estado consideram a situação das lavouras até a primeira quinzena de fevereiro.

A cultura de arroz foi cultivada em 101 municípios, 95% da área estimada. Com um aumento de área de 0,37% hectares (área atual de 1,092 milhão), a expectativa de produção é de 8,45 milhões de toneladas, um aumento de 12,79%, comparado à produção da safra passada.

A primeira safra do feijão foi cultivada em 210 municípios, 83% da área estimada. Para esta cultura, também foi confirmada a tendência de manutenção da área em relação à safra anterior, mesmo considerando os preços altamente vantajosos para o produtor. Se confirmada a produtividade de 1.753 quilos por hectare será a maior até hoje alcançada, possibilitando que a produção aumente em 19,39% em relação ao ano passado, alcançando 71,1 mil toneladas.

Apesar dos problemas pontuais em decorrência do clima, regiões importantes como Caxias do Sul, Frederico Westphalen e Erechim compensaram positivamente com produtividades médias próximas de dois mil quilos por hectare.

A segunda safra do feijão, cultivada em 149 municípios, está se encaminhando para a finalização do plantio da safrinha de verão, chegando aos 62% da área inicialmente prevista. De acordo com o levantamento, a segunda safra do feijão deverá ter uma redução na área cultivada de 4,66% em relação à passada, ficando com uma área próxima a 20 mil hectares. Como a produtividade estimada apresenta um pequeno aumento em relação ao alcançado no ano passado, a produção deverá ter uma diminuição de 3,19%, o que indica um volume total a ser colhido pouco maior que 27,2 mil toneladas.

O milho é a cultura que apresenta o maior aumento de área plantada, 10,31%, mais de 816 mil hectares sendo produzidos em 397 municípios. Segundo o presidente da Emater/RS, Clair Kuhn, foi feito um esforço árduo para garantir esse resultado, tão importante para as atividades agropecuárias, especialmente a avicultura e suinocultura.

Apesar de algumas irregularidades climáticas ocorridas, a produtividade desta safra, 6,7 mil quilos por hecatare, se confirmada, será a maior até hoje alcançada no Rio Grande do Sul.

Impactada pelo expressivo aumento na área cultivada aliada a um aumento na produtividade, a produção avança em 17,26%, podendo atingir em torno de 5,55 milhões de toneladas.

A cultura da soja, cujo levantamento foi realizado em 351 municípios, não teve um aumento muito expressivo em relação à área, apenas 0,64%. Porém, a expectativa de produção estima um aumento de 3,43% (16,7 milhões de toneladas) e um aumento na produtividade de 2,25% (três mil quilos por hectare).

O presidente da Emater/RS, Clair Kuhn, informou que nos últimos dez anos a produção de grãos cresceu dez milhões de toneladas. “Esses resultados representam o grande esforço e o trabalho do homem do campo. O agricultor merece o nosso reconhecimento e esse é o nosso compromisso: estar junto ao agricultor buscando o desenvolvimento do setor agropecuário”, afirmou.

Ele lembrou que a Emater/RS-Ascar está presente em 495 municípios do estado. “Esta apuração foi um trabalho minucioso, de confiabilidade e fidelidade ao que está no campo”, acrescentou.
Café com Leite

O evento teve a presença do vice-governador José Paulo Cairoli, dos secretários de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), Tarcísio Minetto, da Agricultura, Pecuária e Irrigação (Seapi), Ernani Polo, e do presidente da Cotrijal, Nei César Mânica.

O vice-governador lembrou dos principais responsáveis pelos bons resultados. “Por trás dos números tem um trabalho de formiguinha dos agricultores, os verdadeiros responsáveis pela produção de alimentos. A Emater/RS-Ascar está cumprindo com o seu papel junto ao estado e deve ser fortalecida”, ressaltou.

“Os números mostram a capacidade e o grande profissionalismo do produtor de grãos gaúcho. Muito orgulho dos produtores estarem cada vez mais profissionalizados”, acrescentou Minetto.

Deixe seu comentário: