Últimas Notícias > Notícias > Brasil > A Polícia Federal vai investigar os últimos dois anos da vida do homem que esfaqueou Bolsonaro

A Rússia negou responsabilidade no caso do ex-espião envenenado e exigiu ao Reino Unido ter acesso às provas do atentado

O ex-agente duplo russo Sergei Skripal, de 66 anos. (Foto: Reprodução)

A Rússia é “inocente” e está disposta a “cooperar” com as autoridades britânicas na investigação do envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal na Grã-Bretanha, afirmou nesta terça-feira (13) o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, segundo informações da agência de notícias AFP.

“A Rússia é inocente e está disposta a cooperar na investigação se a Grã-Bretanha cumprir suas obrigações internacionais”, afirmou em uma entrevista coletiva em Moscou, um dia depois das acusações da primeira-ministra britânica Theresa May sobre a responsabilidade russa no caso.

Lavrov também exigiu acesso à substância química que provocou o envenenamento de Skripal.

“Exigimos com uma nota oficial acesso a esta substância e a todos os fatos da investigação porque uma das vítimas é a cidadã russa Yulia Skripal”, filha do ex-espião, disse o chanceler.

De acordo com a agência de notícias Reuters, o ministro Sergey Lavrov disse nesta terça-feira que o governo britânico se recusou a fornecer a Moscou acesso a materiais relacionados ao envenenamento do ex-agente duplo.

Ciberataque

A embaixada da Rússia em Londres disse nesta terça-feira que está seriamente preocupada com relatos de que o Reino Unido poderia lançar um ciberataque contra a Rússia, e fez um apelo ao governo britânico para que considere cuidadosamente as consequências de tal ação, segundo a Reuters.

“Não apenas a Rússia é acusada provocativamente e sem fundamento pelo incidente em Salisbury, mas, aparentemente, planos estão sendo desenvolvidos no Reino Unido para atacar a Rússia com armas cibernéticas”, disse a embaixada russa em Londres.

“Declarações de uma série de parlamentares e de especialistas sobre um possível ‘destacamento’ de ‘capacidades cibernéticas’ causam séria preocupação”, acrescentou. “Convidamos o lado britânico a mais uma vez considerar as consequências de uma medida tão inconsequente.”

Outras mortes

Ainda segundo a Reuters, a ministra do Interior britânica, Amber Rudd, disse que a polícia e os serviços de segurança do país investigarão alegações de envolvimento do Estado russo em diversas mortes no Reino Unido nos últimos anos, mostrou carta publicada nesta terça-feira.

Na semana passada, o presidente da Comissão de Assuntos Internos do Parlamento escreveu à ministra pedindo pela revisão de 14 mortes que, originalmente, não haviam sido tratadas como suspeitas pela polícia, mas que foram repetidamente ligadas à Rússia em reportagens da mídia.

“Vou querer me certificar de que as alegações não são nada mais do que isso”, disse Amber Rudd em resposta publicada nesta terça-feira. “A polícia e o MI5 [serviço de inteligência do Reino Unido] concordam e auxiliarão nesse empenho”, declarou.

 

Deixe seu comentário: