Sexta-feira, 24 de Janeiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Mostly Cloudy

Bem-Estar Saiba o que é a dieta nórdica, que pode fazer bem à saúde e é recomendada pela Organização Mundial da Saúde

Aveia com amora e framboesa no café da manhã é uma combinação típica da dieta do Norte Europeu. (Foto: Reprodução)

Certamente você já ouviu falar da dieta mediterrânea como referência de alimentação saudável. Mas você conhece a dieta nórdica?

Uma revisão de estudos feita pela OMS (Organização Mundial da Saúde) comprovou as evidências de que tanto a dieta mediterrânea quanto a nórdica podem ajudar a reduzir o risco de doenças não transmissíveis como o câncer, o diabetes e os problemas cardiovasculares, frequentemente associados à obesidade.

De acordo com a OMS, as duas têm características semelhantes, mas a dieta nórdica se baseia em alimentos tradicionais do norte da Europa: Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia.

Vários países europeus têm promovido, com resultados positivos, essa dieta como modelo alimentar que traz benefícios para a saúde.

A dieta nórdica se baseia no consumo destes alimentos: vegetais de folhas verdes e raízes; frutas vermelhas; frutas em geral; cereais integrais, como a cevada, a aveia ou o centeio; legumes; laticínios com baixo teor de gordura; peixes, incluindo os mais gordurosos como o salmão, a cavala ou o arenque, que podem ser consumidos várias vezes na semana.

Talvez a maior diferença dos hábitos alimentares nórdicos para a dieta mediterrânea, segundo a OMS, é que no lugar do azeite de oliva, predomina o óleo de canola.

A organização afirma que, para as populações não nórdicas, os princípios desta dieta podem ser de adaptação mais fácil do que os alimentos em si.

Em termos gerais, trata-se de promover o consumo de cereais de forma integral, frutas e vegetais, já que são excluídas as gorduras saturadas.

A OMS destaca ainda o fato de que vários estudos vincularam a dieta nórdica a uma diminuição nos fatores de risco tanto para doenças cardiovasculares quanto de diabetes, apesar de ela não ter sido tão estudada como a dieta mediterrânea.

 

Voltar Todas de Bem-Estar

Compartilhe esta notícia:

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça restabeleceu a pena de prisão de 46 anos a uma médica condenada por participação em homicídios em Belo Horizonte
Por decisão de um ministro do Supremo, um jornal continua proibido de publicar notícias sobre processo contra um dos filhos do ex-presidente Sarney
Deixe seu comentário
Pode te interessar