Últimas Notícias > Capa – Magazine > Musical infantil A Dama e o Vagabundo em Paris tem única apresentação na Capital

Crush perfeito: saiba os tipos de namoro com mais chances de virar casamento

Segundo a ciência, probabilidade de subir ao altar depende do perfil do casal. (Foto: Reprodução/Youtube)

Será que esse namoro vai te levar ao altar? Na dúvida, a ciência pode dar uma resposta. De acordo com o jornal inglês Metro, uma pesquisa conduzida por Brian Ogolski, da Universidade de Illinois, identificou quatro tipos de casais e qual deles tem mais chances de se casar.

O primeiro perfil é o casal dramático. São pessoas cheias de altos e baixos, que brigam, terminam, choram, sofrem horrores, voltam, e várias vezes. Se você mantém um relacionamento assim, saiba que as chances de o romance virar algo realmente sério são poucas. O segundo tipo de casal é o focado. Os dois colocam o parceiro em primeiro lugar, e representam 30% dos casais estudados.

O terceiro perfil é o dos casais sociais, formados por pessoas que estão sempre em evidência nas redes sociais, e todo mundo sabe o que eles estão fazendo. Interagem mais com os outros do que entre si. E, por fim, há o quarto perfil, o dos casais conflituosos. São pessoas que vivem brigando, e um barraco é maior que o outro, mas apesar disso mantém uma relação muito forte. O estudo acompanhou os casais por nove meses e ao longo desse período questionou a vontade dos dois de oficializar a união, especialmente durante brigas e momentos de divergência.

A conclusão é que as chances de casar são maiores entre os casais focados. Pessoas que mantém relacionamentos desse tipo têm mais interações positivas e, portanto, mais vontade e possibilidades de subir ao altar. Os casais sociais não pareceram muito interessados em casar, e tanto os dramáticos quanto os conflituosos oscilaram bastante nas respostas. Ou seja: se o estudo estiver correto, casais em que os dois colocam o parceiro em primeiro lugar têm grandes chances de durar e dar certo.

Traição

Você já sofreu uma traição? Pegar a pessoa amada pulando a cerca é um medo que acomete homens e mulheres, mas a resposta para essa pergunta tem mais chances de ser positiva se você for do sexo feminino.

Em uma pesquisa feita pelo site Par Perfeito, a resposta dada por 72% das mulheres participantes foi sim. Mas, entre todos os homens que responderam à questão, apenas 36% disseram o mesmo. A maioria deles, aliás, disse não saber se já foi traído em algum relacionamento.

À primeira vista, as estatísticas podem deixar as moças de cabelo em pé. Mas, para a psicóloga Rosana Braga, autora de nove livros sobre relacionamentos, esses números não comprovam que, em relacionamentos heterossexuais, os homens são mais propensos a pular a cerca do que as mulheres.

Na verdade, disse ela, a quantidade de traidores do sexo feminino é bem próxima à do sexo masculino. A diferença está na coragem de assumir o chifre. “Essa pesquisa mostra dois fatores fundamentais: a dificuldade que os homens têm de admitir quando são traídos, e a falta de atenção deles aos sinais da traição”.

De acordo com Rosana, elas são mais observadoras e detalhistas, por isso, quando querem esconder algo, o fazem mais facilmente. Assim como, quando querem descobrir, percebem pequenos detalhes no comportamento e nos horários do marido, e também fuçam mais do que eles.

Vasculhar indícios de traição é um hábito em muitos relacionamentos, e de fato as investigações podem até fazer com que a escapada seja descoberta. A psicóloga e terapeuta familiar Sandra Mara de Castro afirma que o traidor dá indícios de que fez o que não devia. Fica mais frio, evita o outro, age com mais independência.

Mas, de nada adianta se tornar uma pessoa desconfiada e ficar levantando acusações contra a pessoa amada só porque foi à padaria sem avisar, mesmo que se acredite que fiscalizar o outro é pelo bem da relação. Pois, infelizmente, a pulada de cerca não pode ser prevenida. Sobre isso, Sandra Mara é categórica: não dá para impedir uma traição. Para Rosana, a traição pode acontecer por dois motivos: um comportamento compulsivo do traidor, e uma esfriada na relação.

Deixe seu comentário: