Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Com aval da equipe médica, Bolsonaro irá à abertura da Assembleia Geral da ONU em Nova York

Sequestradores colombianos exigem 5 milhões de dólares pelo resgate da sobrinha-neta do escritor Gabriel García Márquez

Sobrinha-neta do escritor colombiano está em cativeiro desde o final de agosto, sem informações sobre sua localização. (Foto: Reprodução)

Sequestradores exigiram US$ 5 milhões pelo resgate de Melissa Martínez García, sobrinha-neta do escritor colombiano Gabriel García Márquez, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura em 1982 e morto em 2014 aos 87 anos de idade. As informações foram dadas na quarta-feira (31), por um funcionário da Polícia Nacional da Colômbia.

Neta do irmão do escritor, Melissa, de 34 anos, foi raptada no final de agosto por um grupo de homens armados que interceptaram o veículo dela, perto da cidade colombiana de Santa Marta, ao longo da Costa do Caribe.

“Nós acreditamos que isso é um crime comum”, disse aos repórteres o general Fernando Murillo, chefe da unidade de antissequestro da Polícia Nacional. “Em duas ligações, pediram US$ 5 milhões”, disse o diretor da unidade antissequestro da Polícia Nacional, general Fernando Murillo. “De acordo com as circunstâncias dos eventos, acreditamos que é crime comum. Um prêmio de US$ 33 mil foi oferecido a quem der informações que levem à localização de Melissa”, disse o general.

Sequestros com pedido de resgate foram frequentes fontes de fundos durante o conflito armado na Colômbia, que durou mais de 50 anos e matou mais de 260 mil pessoas. Deste total, 82% eram civis, de acordo com o CNMH (Centro Nacional de Memória Histórica). Grupos paramilitares de extrema-direita são responsáveis pela maioria dos assassinatos.

Segundo o documento, os mortos no conflito foram 215.005 civis e 46.813 combatentes mortos. O período entre 1996 e 2004, quando houve significativa expansão paramilitar, registrou mais destas 200 mil mortes, explicou o sociólogo Andrés Suárez, que liderou a pesquisa para o novo balanço.

A CNMH publicou há seis anos o primeiro relatório oficial sobre o número de mortes no conflito colombiano, que dava conta de 220 mil mortes entre 1958 e 2012. A nova versão amplia sua análise para o período entre 1958 até 2018 e integra novas fontes à pesquisa. As guerrilhas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, já desmobilizadas em processo recente, e Exército de Libertação Nacional pegaram em armas contra o Estado em 1964.

Grupos de criminosos comuns também sequestram pessoas em troca de resgates milionários. Em 2017, 193 sequestros foram registrados, de acordo com estatísticas do Ministério da Defesa.

 

 

 

Deixe seu comentário: