Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Oito mulheres com “corpo deformado e dores” denunciam cirurgião plástico em Brasília

Superar a crise e o desemprego foi desafio do ano para metalúrgicos de Gravataí

Segundo o diretor Noeldi Trindade, para 2017 é esperado que ocorra uma reação do mercado brasileiro, com o surgimento de novos postos de trabalho.
Dirigentes do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí avaliam avanços obtidos em negociações salariais e busca pela manutenção de postos de trabalho.
Dirigentes do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí avaliam avanços obtidos em negociações salariais e busca pela manutenção de postos de trabalho.

O ano de 2016 foi marcado por batalhas, conquistas e algumas frustrações para o Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí (SINMGRA). O agravamento das crises política e econômica, que aumentaram o desemprego, fragilizaram as relações dos trabalhadores com as empresas e dificultaram, em várias ocasiões, as negociações com os patrões. O presidente da entidade sindical de Gravataí, Valcir Ascari, ressalta que o ano que está terminando foi uma extensão de 2015, com funcionários prejudicados com demissões e salários achatados.

– O sistema produtivo em nosso país passa por um momento delicadíssimo. São mais de 12 milhões de desempregados, ameaça constante de retirada de direitos trabalhistas e previdenciários. Conquistas históricas estão sendo eliminadas sem nenhuma satisfação aos trabalhadores, que são os maiores prejudicados com esta situação caótica – enfatiza.

O diretor executivo do Sindicato dos Metalúrgicos, Noeldi Trindade (Nando), destaca o reajuste salarial de 9%, incluindo a inflação, obtido após longa negociação com o Sinmetal. O acordo representou o pagamento de 5% do reajuste neste ano e o complemento dos outros 4% valendo a partir de 1o de abril de 2017.

– Mesmo em meio a um momento de crise, conseguimos obter um reajuste importante para os salários dos trabalhadores, que não podem enfrentar o crescimento do custo de vida sem terem seus vencimentos aumentados – explica Noeldi.

Também foram conquistas importantes do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí em 2016 o final feliz para o pagamento da segunda parcela do PPR de 2015 aos trabalhadores da fábrica da General Motors no município, em março, com depósito de R$ 2.700,00 combinado com a primeira parcela do 13o salário. Ainda, o recebimento do PPR pelos trabalhadores das empresas Sistemistas do complexo automotivo, também definido em março, contemplando três mil funcionários.

Embora seja um fato a ser lamentado, a demissão de 170 trabalhadores da Arteb, em março, os funcionários receberam todo o suporte do SINMGRA, que foi ao Tribunal Regional do Trabalho da 4a Região (TRT-RS), lutar pelo pagamento das verbas rescisórias. As ações também contemplaram o pagamento da primeira parcela do PPR para 900 trabalhadores da empresa Mundial, em junho; a aprovação do termo aditivo ao acordo coletivo de trabalho específico do Programa de Proteção ao Emprego (PPE) pelos colaboradores da unidade local da Dana Holding; a negociação com a Amvian do Brasil, que garantiu a reposição do INPC do período, de 9,62%; e com a Uliana Indústria Metalúrgica sobre o PPR de 2016 e a reposição salarial de seus colaboradores. Em agosto, o Sinmgra atuou em defesa dos trabalhadores vitimados por vazamento de produtos químicos ocorrido na empresa Johnson Constrols.

No final do ano, milhares de trabalhadores metalúrgicos protestaram, em Gravataí, contra a Reforma Trabalhista e Previdenciária que estão em discussão e propostas pelo Governo Federal. As ações fizeram parte de uma programação nacional acertada entre todas as centrais sindicais do setor metalúrgico, para conscientizar os operários sobre as propostas.

A grande frustração de 2016 foi a demissão de 300 trabalhadores da fábrica da General Motors em Gravataí, causada pela grave crise econômica que afetou, diretamente, o setor automotivo brasileiro. Embora todo o empenho do sindicato para reverter os desligamentos, isso acabou não sendo possível, tendo em vista a posição irredutível da montadora.

Segundo Noeldi Trindade, para 2017 é esperado que ocorra uma reação do mercado brasileiro, com o surgimento de novos postos de trabalho.

Deixe seu comentário: