A empreiteira OAS usava como laranjas suas empresas prestadoras de serviço para disfarçar doações em campanhas eleitorais

A empreiteira OAS usava como laranjas suas empresas prestadoras de serviço para disfarçar doações em campanhas eleitorais, segundo executivos do grupo que hoje são delatores. A construtora orientou fornecedoras de suas obras a fazer doações oficiais nas campanhas de 2010 e 2014, à época legalizadas, para partidos ou candidaturas de...

A Polícia Federal identificou dados que confirmam que a empreiteira Odebrecht usou o ex-ministro José Dirceu para repassar dinheiro a seu filho Zeca Dirceu em campanhas eleitorais

Um documento elaborado pela PF (Polícia Federal) e já enviado para o STF (Supremo Tribunal Federal) relata a identificação de dados sobre “pagamentos, recebimentos, codinomes e valores” ao ex-ministro José Dirceu no material apreendido na empreiteira Odebrecht pela Operação Lava-Jato. Também foram rastreados recursos cujo destinatário era "Guerrilheiro". De acordo com...

Delatores da empreiteira OAS relataram repasses de 1 milhão de reais ao ex-ministro José Dirceu

Em delação premiada homologada pelo STF (Supremo Tribunal Federal), ex-executivos que operavam o setor de propinas e repasses de caixa 2 da OAS revelaram que o ex-ministro petista José Dirceu recebeu cerca de R$ 1 milhão em subornos da empreiteira. Conforme os delatores, os recursos foram pagos a partir da JD...

A empreiteira OAS fraudou contratos em sete países para gerar recursos usados em propinas

Gerente da área internacional de contabilidade clandestina da OAS, o ex-executivo Alexandre Portela Barbosa relatou em sua delação premiada, já homologada pelo STF (Supremo Tribunal Federal), que a empreiteira usou contratos fictícios em sete diferentes países para gerar recursos ilícitos usados em pagamentos de propina e caixa dois no Brasil...

Delatores da construtora OAS relataram propina de 125 milhões de reais para 21 políticos

Delatores da construtora OAS relataram à PGR (Procuradoria-Geral da República) repasses de R$ 125 milhões em propina e caixa 2 a 21 políticos de oito partidos entre 2010 e 2014, segundo reportagem do jornal O Globo. Entre os citados estão o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o ministro do TCU...

Em delação premiada, executivos da empreiteira OAS revelaram um total de 125 milhões de reais em propinas para 21 políticos de oito partidos

Executivos da empreiteira OAS contaram em depoimentos prestados em razão de acordo de delação premiada que pagaram R$ 125 milhões em propina e caixa dois para 21 políticos de oito partidos. A delação os executivos foi homologada em julho do ano passado pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava-Jato...

O ex-presidente da OAS disse que pagou propina a ex-prefeito irmão do presidente do Supremo, Dias Toffoli, que não é citado por Léo Pinheiro

O ex-presidente da OAS Léo Pinheiro, preso em Curitiba pela Operação Lava-Jato, disse em delação premiada que pagou propina e também repassou dinheiro em caixa dois de campanha para José Ticiano Dias Toffoli, ex-prefeito de Marília (interior de SP) pelo PT. Ticiano é irmão do ministro José Antonio Dias Toffoli, atual presidente...

Uma ação por lavagem de dinheiro e corrupção contra o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, está parada há quase dois anos na Procuradoria-Geral da República

Quase dois anos depois de a PF (Polícia Federal) apontar a existência de indícios de que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cometeu crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, a PGR (Procuradoria-Geral da República) até hoje não se manifestou sobre eventual denúncia ou arquivamento do...

Ex-presidente da empreiteira OAS voltou a afirmar que a reforma de um sítio em Atibaia foi feita a pedido de Lula

Nessa segunda-feira, a defesa do ex-executivo da empreiteira OAS, Leo Pinheiro, reafirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva solicitou pessoalmente a realização de reformas no sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP). Em um documento enviado à juíza Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal em Curitiba (PR), ele também...

A construtora OAS pagava 200 milhões de reais de propina por ano: havia uma rede de doleiros e entrega de dinheiro vivo a políticos

O grupo empresarial OAS repassava cerca de R$ 200 milhões em propina todo ano até se tornar alvo da Lava-Jato em 2014, segundo ex-funcionários do departamento responsável pelo caixa dois e distribuição de dinheiro ilegal da empreiteira. Oito desses executivos, que trabalhavam numa área denominada Controladoria, assinaram acordo de delação premiada...