Últimas Notícias > CAD1 > Câmara aprova projeto que institui programa de apadrinhamento afetivo de idosos

Técnico é demitido mesmo após ganhar de 4 a 1 na Libertadores da América

O técnico Leonel Álvarez teve uma estreia perfeita na Libertadores, mesmo assim foi demitido. (Foto: Reprodução)

Quem é mais feio? O goleiro René Higuita, o volante Leonel Álvarez ou o meia Carlos Valderrama?

Ao olhar para o álbum de figurinhas da Copa da Itália-1990, na página que trazia os jogadores da Colômbia, era essa a pergunta que eu me fazia às vésperas do início da competição.

Ainda adolescente, não me atentava que os padrões de beleza variam de acordo com o gosto de cada um, e concluía: “Difícil. Um mais horrendo que o outro!”.

Perto deles, Biro-Biro, ídolo do Corinthians na década de 1980, podia ser considerado galã.

Em comum aos três, uma vasta cabeleira (a de Valderrama, o habilidoso capitão daquela equipe, era a mais portentosa, com um tom alaranjado), bigodes e feições indígenas.

Feiura, só? Havia também um quê de preconceito – hoje devidamente morto e enterrado.

Naquela época, ressalto, anterior à era Beckham, ter feio no time nem era defeito, pelo contrário.

Quanto mais feio, melhor. Se fedesse e/ou tivesse bafo, ganhava mais uns pontos. Tudo valia para tentar meter medo e se impor aos adversários.

Lembrei-me do trio por causa de Álvarez, de 53 anos, que em 2009 iniciou a carreira de técnico de futebol.

No comando do Libertad, do Paraguai, desde outubro, ele estreou na fase de grupos da Libertadores com um 4 a 1 no estádio Defensores del Chaco, em Assunção, sobre a Universidad Católica, do Chile.

A convincente goleada do time, que está na mesma chave do Grêmio, ocorreu na terça (5) à noite.

Eis que na manhã de quarta, ao chegar logo cedo com seus auxiliares à sede do clube, Álvarez deparou-se com um forte esquema de segurança e não pôde adentrar as instalações.

“Viemos trabalhar às sete e meia e não nos deixaram entrar. É muito indignante e desrespeitoso”, afirmou Rubén Darío Bedoya, um dos assistentes, conforme relato de Federico Arias, da rádio paraguaia ABC Cardinal.

Soube-se que, fato extremamente incomum depois de um excelente resultado, ele e seu estafe estavam todos demitidos – já estariam cientes disso desde a véspera.

As razões do desligamento de Álvarez estão sendo cogitadas, já que não houve pronunciamento oficial do clube – que apenas publicou em rede social o nome do interino, Juan Eduardo Samudio – nem declarações do técnico.

O site colombiano Futbolred publicou que Gerardo Acosta, advogado do Libertad, afirmou que o treinador “descumpriu uma obrigação que está em seu contrato, por isso a decisão de demiti-lo”. Não disse que obrigação era essa.

Ainda segundo o site, o programa Teleshow, do canal de TV paraguaio Latele, deu três hipóteses acerca da saída de Álvarez.

A primeira: Álvarez não tinha uma boa relação com os dirigentes – o presidente do clube é Horacio Cartes, que foi presidente do Paraguai de 2013 a 2018.

A segunda: o veterano atacante Óscar Cardozo (ex-seleção paraguaia e Benfica) se relacionou amorosamente com a esposa de Álvarez.

A terceira: Álvarez teve um caso com a esposa de um diretor do Libertad e outro com a de um jogador (Benítez ou Aquino, este o capitão do time).

Consultado a respeito dos rumores de traições conjugais, Acosta, o representante jurídico do clube, as descartou, segundo a rádio colombiana Caracol.

Ele reforçou a versão de descumprimento de contrato e disse não poder revelá-las por ser parte da estratégia de defesa, caso Álvarez decida acionar o Libertad judicialmente.

Deixe seu comentário: