Últimas Notícias > Notícias > Brasil > A inflação do aluguel avançou na segunda prévia de junho

Michel Temer procurou a presidente do Supremo Tribunal Federal para conversar após a quebra do seu sigilo bancário

A situação dos presídios brasileiros também foi discutida entre os dois. (Foto: Beto Barata/PR)

O presidente Michel Temer se reuniu nesse sábado com a presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministra Cármen Lúcia. O encontro ocorreu no início da tarde na residência da presidente do STF e não constava na agenda oficial do presidente.

Ao sair da casa de Cármen Lúcia, Temer disse que ela se comprometeu em colaborar nos assuntos de segurança, tanto no Rio como em outros estados. A situação dos presídios brasileiros também foi discutida entre os dois, segundo a assessoria de imprensa do Palácio do Planalto.

Após a reunião, o presidente recebeu no Palácio do Jaburu os ministros da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, e da Fazenda, Henrique Meirelles. A pauta do encontro, no entanto, ainda não foi divulgada.

Como presidente também do Conselho Nacional de Justiça, Cármen Lúcia determinou a formulação de um cadastro nacional de presos, que deve ser concluído em maio. Os dados serão públicos e poderão orientar o governo na formulação de políticas públicas no setor.

Vazamento da informação

Temer sofreu um revés no STF na semana passada, quando foi divulgada a informação de que o ministro Luís Roberto Barroso havia quebrado o sigilo bancário do presidente para instruir um inquérito aberto contra ele na corte. Barroso determinou a quebra de 1º de janeiro de 2013 a 30 de junho de 2017 em investigação do decreto dos portos. O peemedebista é suspeito de receber propina para favorecer empresas do setor portuário na publicação que alterou regras do setor. A quebra do sigilo foi antecipada pelo site da revista Veja na noite de segunda-feira e confirmada pelo jornal O GLOBO.

Por conta do vazamento da informação, o ministro determinou que a Polícia Federal apure o caso. “Verifico que a petição apresentada pela ilustre defesa do excelentíssimo senhor presidente da República revela conhecimento até mesmo dos números de autuação que teriam recebido procedimentos de investigação absolutamente sigilosos”, escreveu o ministro. Ele determinou à Polícia Federal “apuração das responsabilidades cabíveis”.

Em nota, o Palácio do Planalto informou que vai solicitar e divulgar os extratos bancários do presidente. “O presidente Michel Temer solicitará ao Banco Central os extratos de suas contas bancárias referentes ao período mencionado hoje no despacho do iminente ministro Luís Roberto Barroso. E dará à imprensa total acesso a esses documentos. O presidente não tem nenhuma preocupação com as informações constantes de suas contas bancárias”, diz a nota do Planalto.

 

 

Deixe seu comentário: