Últimas Notícias > Capa – Magazine > “Musa da Copa”: Larissa Riquelme chega a Porto Alegre e faz promessa para que Paraguai vença Brasil

Terror na internet: personagem que aparece em meio a vídeos infantis induziria crianças a se automutilar

O perfil "Momo" circula pelo aplicativo de mensagens WhatsApp. (Foto: Reprodução)

Criados com o único objetivo de gerar pânico coletivo, vídeos em que a boneca Momo, uma espécie de “assombração virtual”, aparece no meio de desenhos infantis orientando crianças a se automutilar não devem ser compartilhados pelos pais. Segundo especialistas, quanto menos esses filmes circularem, menor vai ser o alcance deles na internet. Até mesmo a procura pelo termo Momo no Google ou no YouTube deve ser evitada, já que os algoritmos destas plataformas valorizam a quantidade de buscas feitas, aumentando a relevância daquele conteúdo.

Os vídeos que passaram a circular nos últimos dias foram editados para que parecessem um “intervalo” em desenhos e filmes infantis. Neles, Momo dá instruções para que crianças peguem facas ou objetos afiados e se cortem. Não há qualquer relato muito menos provas de que tais desafios foram realmente cumpridos.

As imagens, no entanto, são assustadoras. A começar pela própria Momo, uma boneca com rosto deformado, criada por um artista plástico japonês e que foi desvirtuada por usuários mal-intencionados da internet.

Pesadelos

Um dos primeiros relatos sobre a nova aparição da Momo (as anteriores foram ano passado, em mensagens de WhatsApp) foi feito pela professora Juliana Tedeschi. Em entrevista ao jornal O Dia, ela contou que recebeu informações sobre o ‘Desafio da Boneca Momo’ e decidiu conversar com os filhos. Foi quando a caçula, de 8 anos, começou a chorar. “Ela desabou na hora. Foi aí que soube que minha filha já tinha visto a boneca Momo aparecer em um vídeo há tempos, mas nunca nos falou nada com medo de que a Momo fizesse algo conosco. Nos vídeos, a Momo diz para a criança achar algo nas coisas do papai ou da mamãe e se cortar bem fundo. Senão, ela volta e leva os pais”.

Segundo ela, a imagem da personagem apareceu para a filha no meio de um vídeo na internet. “Era um dos que ensinavam as crianças a brincar com as massinhas gelatinosas slimes. Esses são os mais acessados pelas crianças. Minha filha viu e não falou com a gente. Mas tem pesadelos e sente medo”, disse Juliana.

Segundo a Polícia Civil do Rio, as pessoas que estiverem por trás desse tipo de manipulação podem responder até pelo crime de homicídio.
Felipe Neto, dono do maior canal brasileiro no YouTube e ídolo de milhões de crianças, publicou um vídeo direcionado aos pais. Segundo ele, não há evidência no YouTube com esse tipo de conteúdo.

Baleia Azul

Em outro episódio envolvendo esse tipo de crime, a delegada Fernanda Fernandes esteve à frente de uma investigação que resultou na prisão temporária de quatro jovens. Eles foram acusados de serem administradores de um grupo do Facebook dedicado ao ‘Desafio da Baleia Azul’. Por meio de ameaças, as crianças e adolescentes eram forçadas a cumprir tarefas que poderiam chegar ao suicídio.

Atualmente responsável pela DRCI (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática), o delegado Pablo Sartori tem a mesma interpretação: “Os jovens ficam tão fragilizados e assustados com as ameaças que podem se sentir obrigados a cometer suicídio, obedecendo a vontade do criminoso e não a dele. Por isso, o crime de homicídio”, explica.

Ele conta que, desde que assumiu o comando da especializada, em janeiro deste ano, não houve nenhuma denúncia sobre os desafios da ‘Baleia Azul’ ou da ‘Boneca Momo’. “Se algum pai detectar algo nesse sentido, deve procurar a delegacia imediatamente”, orienta.

Deixe seu comentário: