Últimas Notícias > Capa – Você viu > WhatsApp Beta tem aviso de conta bloqueada e mostra sinais do modo escuro

Teste descobre que o Galaxy Fold tem uma vida útil de cerca de três anos

Nos testes preliminares efetuados pela SquareTrade, o aparelho havia aguentado cerca de 120 mil dobradas antes de apresentar problemas nas dobradiças e na tela. (Foto: Reprodução de internet)

Um dos lançamentos mais esperados deste ano, o Galaxy Fold da Samsung prometeu uma verdadeira revolução no mercado de smartphones ao introduzir o conceito de uma tela dobrável. Mas uma grande dúvida que todos têm sobre esses aparelhos é: será que eles são duráveis?

Por isso, o site CNet resolveu efetuar um teste próprio para descobrir quantas vezes era possível dobrar a tela do Fold antes de o aparelho começar a apresentar defeito. Para isso, o site utilizou uma máquina “dobradora de Galaxy Fold” desenvolvida pela SquareTrade – uma empresa de San Francisco que oferece garantias estendidas e planos de seguro para aparelhos eletrônicos.

A máquina consiste de uma espécie de “fresa dobrável”, onde é possível colocar o smartphone da Samsung aberto, preso fixamente por duas garras, e então um motor fará com que o sistema fique abrindo e fechando o aparelho, a uma frequência de 2,5 vezes por segundo.

Nos testes preliminares efetuados pela SquareTrade, o aparelho havia aguentado cerca de 120 mil dobradas antes de apresentar problemas nas dobradiças e na tela, e o objetivo da CNet era chegar a 200 mil dobradas – o que, pelos cálculos, seria o equivalente a quantidade de vezes que uma pessoa teria dobrado e desdobrado o aparelho após cinco anos de uso.

Mas, infelizmente, não foi possível chegar a esse resultado: assim como ocorreu no experimento da SquareTrade, o Galaxy Fold também apresentou problemas em cerca de 120 mil dobragens (mais precisamente, após 119380 dobradas), o que é relativo a aproximadamente três anos de uso do aparelho.

Claro, esse teste – que foi inteiramente transmitido via YouTube – não pode ser considerado como científico, já que, em condições normais, ninguém vai ficar dobrando e desdobrando o smartphone por tantas vezes seguidas e nem por tanto tempo (no total, foram 16h do aparelho sendo dobrado e desdobrado continuamente até ele apresentar defeito).

Mesmo assim, é difícil dizer se o resultado realmente é bom ou não. Isso porque, se formos comparar com os primeiros modelos enviados para análise em abril, quando em muitos deles a tela parou de funcionar após cinco ou seis dobradas, aguentar 120 mil é uma melhoria enorme; mas, se formos considerar esse número como um todo, uma vida útil de cerca de três anos parece muito pouco para um aparelho que custa quase US$ 2.000.

Esse tipo de resultado de equacionar se é bom ou ruim parece ser uma marca do Fold, já que outro teste de durabilidade feito pelo canal JerryRigEverything também chegou a conclusões mistas sobre o aparelho, que mostra ser bem mais resistente do que o modelo que foi retirado das lojas dias antes do lançamento em maio, mas ainda frágil o suficiente para que possa parar de funcionar apenas pelo acúmulo de poeira.