Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Fair

Capa – Caderno 1 Donald Trump diz que o atirador da Las Vegas era um homem “doente” e que discutirá as leis sobre a compra e o porte de armas nos Estados Unidos “com o passar do tempo”

Trump se recusou a chamar o incidente de terrorismo interno. (Foto: Reprodução)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira (3) que o autor do ataque a tiros em Las Vegas era um “indivíduo muito, muito doente”, mas se recusou a chamar o incidente de terrorismo interno. Trump também declarou que as leis de armas americanas serão discutidas.

“Nós iremos falar sobre leis de armas com o passar do tempo”, afirmou a repórteres na Casa Branca. Durante a sua campanha presidencial, Trump se disse contrário a novas restrições ao porte e à compra de armas e defendeu poderes ampliados aos donos de armas que queiram se defender.

Questionado se o ataque a tiros foi um ato de terrorismo interno, o presidente acrescentou: “Ele era um homem doente, um homem demente. Muitos problemas, eu imagino, e nós estamos investigando ele muito, muito seriamente”. No ataque, 59 pessoas morreram e mais de 500 ficaram feridas, após Stephen Paddock, um contador aposentado de 64 anos, disparar diversos tiros do 32º andar do Mandalay Bay, um famoso cassino e resort de Las Vegas, contra uma multidão em um festival de música country.

A ação é considerada o maior ataque a tiros da história dos Estados Unidos. O grupo jihadista Estado Islâmico chegou a reivindicar a autoria do ataque. No entanto, o FBI (a polícia federal americana) disse que não foi encontrada nenhuma evidência de conexão do atirador com grupos terroristas internacionais.

Pânico

“Começaram a atirar, e todo mundo pensou, a princípio, que eram fogos ou algo assim. E as pessoas começaram a cair no chão ao redor de nós.” Foi dessa forma que uma mulher que estava entre as 22 mil pessoas na plateia do festival de música country descreveu como um momento de festa e alegria se transformou em um cenário de pânico. “Quando saímos por trás, começamos a ver as pessoas que foram alvejadas e as pessoas mortas, e foi aí quando me dei conta: ‘Isso é real’”, disse ela.

“Ouvimos os tiros e acho que ninguém se deu conta do que estava acontecendo até ouvirmos a segunda rajada”, disse outra testemunha. “Havia tiros e sangue por todos os lados, foi horrível. Você ouve sobre isso na TV, mas não acha que vai acontecer com você”, completou.

“Todo mundo começou a correr, e não havia para onde correr, porque você não conseguia saber de onde estava vindo”, descreveu outra mulher que estava no festival. Um homem descreveu como Paddock “continuou atirando, então, parou um pouco e disparou mais 15 a 20 tiros”. “Foi quando nos demos conta de que era uma arma automática.”

Uma mulher contou como viu pessoas descalças em fuga. Ao chegar ao seu carro, encontrou um homem se escondendo sob o veículo: “Ele havia levado um tiro e disse: ‘Você pode me ajudar?’. Então, eu o coloquei no meu carro, havia seis pessoas dentro do meu carro”.

Voltar Todas de Capa – Caderno 1

Compartilhe esta notícia:

Porto Alegre foi a única capital pesquisada que registrou queda na inflação para o consumidor na quarta semana de setembro
No Rio, leilão de bens da Lava-Jato vende apenas um relógio de 1,3 mil reais
Deixe seu comentário
Pode te interessar