Últimas Notícias > Atividades Empresariais > Conhecidos os Líderes e Vencedores de 2018 da Federasul

Tolerância zero do presidente dos Estados Unidos não inibiu brasileiros de atravessarem clandestinamente a fronteira americana

Política de tolerância zero está suspensa, mas fronteira é bem guardada. (Foto: US Customs and Border Protection)

A política migratória de tolerância zero do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que vigorou em maio e junho e separou crianças dos pais, não inibiu brasileiros de atravessarem ilegalmente a fronteira americana, nem as altas taxas cobradas por imigrantes por coiotes.

A procura continua a mesma, inclusive por parte de famílias com filhos pequenos, afirmou um coiote que há mais de 20 anos leva imigrantes da região de Governador Valadares (MG) para os EUA ao jornal Folha de S. Paulo.

O homem enviou gravações de áudio e vídeos que, diz, são de pessoas que conseguiram chegar aos EUA após contratarem seus serviços.

De acordo com dados divulgados recentemente pela Patrulha da Fronteira dos EUA, o número de famílias de imigrantes detidas na divisa com o México teve uma queda discreta, de 2%, de junho para julho: foi de 9.434 para 9.258.

O coiote afirma que cobra US$ 20 mil (R$ 77 mil) de cada emigrante, mas o valor pode variar. “Se ele for mais lento, tiver dificuldade de entender as orientações, já sei que vai me dar dor de cabeça, aí cobro US$ 22 mil.”

Segundo ele, o dinheiro fica com algum familiar no Brasil e o acerto só é feito na chegada ao outro lado da fronteira.

A travessia — que pode ser realizada por rio, mata, um túnel ou mesmo pelo próprio muro fronteiriço que existe em boa parte da divisa entre os dois países e que Donald Trump quer ampliar — envolve pagar propina a agentes em diversos pontos, afirma.

Em média, o coiote diz levar 20 pessoas por mês, mas ele estima que há cerca de 80 conterrâneos que fazem o mesmo, muitos enviando até 50 migrantes no mesmo período.

“Sou um lambari no meio de tubarões. Eu trabalho pouco, porque minha família implica. Escondo mais da família do que da imigração”, diz ele, que foi preso três vezes no Brasil e deportado oito vezes dos EUA por exercer a atividade.

Enquanto esteve em vigor a separação de famílias pela política de Trump, com os pais mandados a prisões federais e os filhos a abrigos para menores, três mães enviadas por ele foram presas em lugares diferentes dos filhos.

Uma delas ficou mais de um mês longe da filha de cinco anos. “Mas todos já se reuniram e estão lá, trabalhando.”

Segundo ele, mesmo nesse período houve famílias que entraram no país incólumes. “Um informante avisava quando o abrigo para menores ficava lotado. Aí eles aproveitavam para cair [passar].”

Na época, cerca de 3.000 menores foram separados dos responsáveis. Apesar da ordem de um juiz federal para que as famílias sejam reunidas, mais de 500 crianças ainda não foram devolvidas (os 52 menores brasileiros apartados já foram entregues).

Especialistas alertam que a experiência deixa traumas nas crianças. Atualmente, a política linha-dura está suspensa.

O coiote afirma que, com o fim da tolerância zero, as famílias com crianças que ele envia para os EUA recorrem a um método conhecido: se entregam à patrulha da fronteira e pedem asilo. Nesse caso, o valor pago ao coiote cai pela metade. “Pais com crianças têm mais chance de entrar. É uma viagem mais fácil”, alega.

Ele admite que há casos de crianças desacompanhadas que se passam por filhas de outro adulto. “Se eu estou com um menor desacompanhado e meu colega [outro coiote] tem um adulto sem filhos, ele paga US$ 2.000 (R$ 7.700) para o menor ir como filho dele.”

Segundo o homem, a primeira etapa é ir de avião até a Cidade do México. Lá, agentes de imigração cobram US$ 1.000 (R$ 3.860) por passageiro para permitir o ingresso.

“Temos um contato no aeroporto em todos os turnos. Mandamos as fotos de cada passageiro nosso, dizemos como vão vestidos. Se não fizermos isso, eles voltam”, relata.

Os brasileiros vão até uma cidade mexicana na fronteira, de ônibus ou em voos domésticos. Nesse último caso, é preciso pagar propina a um policial no aeroporto —US$ 100 (R$ 386) por pessoa.

Como é feita a travessia depende “do preparo físico do passageiro”. Os mais resistentes pagam US$ 5.000 (R$ 19,3 mil) para caminhar 10 km pela mata. Pelo mesmo valor, é possível percorrer, em boias, um rio que leva aos EUA.

Também há a opção de pular o muro na própria fronteira. “A gente tem uma pessoa que avisa quando é troca de turno dos guardas. Dá tempo, mas tem que ser uma pessoa que aguenta correr.”

Obesos, deficientes, grávidas e idosos têm a alternativa superluxo: um caminho de dez minutos dentro de um túnel que desemboca em uma fazenda nos EUA. O preço cobrado pelos mexicanos somente por esse trajeto (US$ 10 mil, R$ 38 mil) é o dobro.

Segundo ele, cerca de 10% dos brasileiros que o contratam são pegos pela polícia. Nesse caso, ele diz que tem uma rede de advogados para tentar soltar a pessoa sob fiança enquanto corre o processo. “[Nos anos] até que termine o julgamento, mesmo que ela seja deportada, ela já juntou o dinheiro que precisava.”

Deixe seu comentário: