Últimas Notícias > Capa – Destaques > Adolescente confessa morte de menina encontrada perto de açude em São Gabriel

Um acordo da Gol com uma companhia de táxi aéreo abriu um novo mercado em aviação

Segundo a Gol, com os novos destinos o total de cidades atendidas pela companhia aérea chega a 59 no País. (Foto: Divulgação)

Mudanças regulatórias abriram um novo mercado para que a Gol anuncie nas próximas semanas uma parceria com uma companhia de táxi aéreo para levar passageiros de cidades pequenas para destinos no Brasil ou no exterior.

Acordo com a Two Flex poderá levar passageiros de até 109 localidades com menos de 200 mil habitantes para centros atendidos pela Gol.

Pessoas que participaram das conversas afirmam que as cidades ainda estão sendo definidas. Nenhum voo destas cidades até um aeroporto no qual a Gol opera vai durar mais do que uma hora e meia.

Em nota, a Gol diz que estuda, com a Two Flex, um plano para ampliar a operação no Rio Grande do Sul.

As passagens serão vendidas no site da Gol, que pagará à empresa de táxi aéreo.

A Two Flex pertence ao empresário Rui Aquino, ex-presidente do braço de aviação executiva da TAM. Ela já opera um projeto parecido de aviação regional com o governo de Minas Gerais, conectando 20 cidades do interior ao aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte.

Nas conversas com o governo, a Two Flex projetou que esse modelo pode cobrir mais 330 cidades com aumento de frota para 175 aviões Cessna Caravan (hoje a empresa tem 18, com capacidade para nove passageiros) e outras 80 aeronaves para até 18 passageiros.

Essa estrutura permitiria o aumento em 2% do número de passageiros transportados por ano –um negócio de R$ 850 milhões em receitas.

Técnicos da SAC (Secretaria de Aviação Civil) e da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) estimaram que, caso haja outras empresas nesse ramo, a aviação comercial poderá crescer até 5% em passageiros embarcados por ano.

Por isso, os órgãos reguladores decidiram mudar as regras da aviação para aeródromos de cidades com menos de 200 mil habitantes.

Antes, as exigências de investimento e segurança, como equipamentos de raio X, eram tão severas que inviabilizavam operação de companhias menores.

Consultada, a Two Flex não quis comentar.

Novas regras e acessibilidade no transporte aéreo

Atendendo à solicitação do ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), realizou alterações nas chamadas de embarque nos aeroportos (os speeches), a fim de evitar o uso de terminologias pejorativas ou equivocadas. A partir desta ação, as chamadas para embarque serão padronizadas, com a utilização do termo “passageiros com prioridade por lei”. As mudanças foram confirmadas na quarta-feira (5), durante reunião entre representantes da Anac, do MDH (Ministério dos Direitos Humanos) e do MTPA (Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil).

Durante o encontro, também foi acertada a melhoria dos formulários médicos solicitados para o embarque, a fim de simplificar a vida da pessoa com deficiência. Neste quesito, segundo o gerente de Operações da Anac, Marcelo Lima, são necessários alguns critérios para a adequação dos formulários MEDIF (Medical Information Form) e do uso do cartão FREMEC (Frequent Traveller Medical Card). “A ideia é permitir, em um futuro próximo, que o passageiro que tenha uma condição de deficiência ou médica estável possa comprar sua passagem com um cartão com número de identificação, o qual contenha toda a descrição de sua condição, para evitar que ele sempre tenha que apresentar um laudo médico. Com isso, melhoramos o acesso ao transporte aéreo para pessoas com deficiência. Queremos que este cartão seja aceito por todas as empresas aéreas brasileiras”, disse Marcelo Lima.

Para o coordenador-geral de Acessibilidade do MDH, Rodrigo Machado, as ações visam garantir qualidade de vida às pessoas com deficiência. “A SNDPD/MDH auxiliou na elaboração das especificações técnicas para a compra de rampas de acesso a aeronaves e participa do desenvolvimento de um projeto de melhoria de acessibilidade do SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente), em parceria com a Anac e com a UFSCar (Universidade Federal de São Carlos)”, complementou.​

Deixe seu comentário: