Últimas Notícias > Notícias > Brasil > STJ vai julgar recurso de Lula nesta terça

Um incêndio atingiu a catedral de Notre-Dame, em Paris. O presidente francês promete reconstruir o ponto turístico, que recebe milhões de visitantes todos os anos

Agora incendiada, Notre-Dame recebe 13 milhões de turistas anualmente. (Foto: Reprodução)

A famosa catedral de Notre-Dame, em Paris, foi atingida por um incêndio de grandes proporções nesta segunda-feira (15). O fogo consumiu dois terços do telhado do local, mas a estrutura principal foi salva, disseram bombeiros franceses no início da noite. Ainda não se sabe o que causou as chamas.

Em referência ao salvamento da estrutura, o presidente Emmanuel Macron disse a repórteres reunidos na frente da igreja que “o pior foi evitado” e que “vamos reconstruí-la, juntos”. Ele afirmou ainda que uma campanha internacional de arrecadação de fundos será lançada.

“Devemos nos sentir orgulhosos, porque nós construímos esta catedral há mais de 800 anos e, no decorrer dos séculos, fizemos com que ela crescesse e a melhoramos. Então eu digo solenemente esta noite: nós vamos reconstruí-la, juntos”.​

O fogo teria se originado nos andaimes atualmente instalados na parte superior do prédio para trabalhos de restauração, segundo o jornal francês Le Monde. Um bombeiro ficou gravemente ferido, no que foi a única vítima registrada.

Até o momento, as autoridades francesas tratam o caso como um acidente. O fogo foi visto no topo da construção, nas duas torres principais da catedral, por volta das 18h50 (13h50 no horário de Brasília).

As chamas derrubaram a flecha da Notre-Dame, uma torre fina, que ficava no meio da catedral, cerca de uma hora mais tarde, e atingiram em seguida a torre norte. Uma operação com mais de 400 bombeiros esteve em operação enquanto a área foi isolada.

“Tudo está sendo devorado pelas chamas. Não restará nada da estrutura, que data do século 19 de um lado e do 13 do outro”, declarou André Finot, porta-voz da catedral.

“A partir de agora, uma missão especial foi iniciada para tentar salvar todas as obras de arte”, disse Emmanuel Grégoire, vice-prefeito de Paris. A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, afirmou mais tarde que algumas das muitas obras de arte que estavam na catedral foram removidas e armazenadas em um local seguro.

O Ministério Público francês anunciou a abertura de uma investigação para determinar a causa das chamas.

O perímetro em torno da Île de la Cité, onde fica a catedral, foi isolado por policiais. Na ponte Saint Michel, a 100 metros da torre, centenas tiravam fotos e faziam vídeos por volta das 19h50.

Por volta das 20h20 (15h20 no Brasil), quando a reportagem conseguiu ter acesso à praça em frente à catedral, o fogo parecia estar mais controlado, mas muita fumaça ainda saía da porção central do teto da construção. Segundo o jornal francês Le Parisien, caminhões do corpo de bombeiros ficaram presos no trânsito próximos à estação Châtelet, a cerca de um quilômetro da catedral.

Na última sexta-feira (12), 16 estátuas de bronze que adornam os telhados da catedral foram retiradas para restauração. De acordo com os bombeiros, o incêndio está “potencialmente relacionado” às obras na edificação. A jornada da equipe que trabalha na reforma da catedral acabou às 17h, no horário local, quase duas horas antes do início do incêndio.

A catedral foi construída no século 12 e recebe 13 milhões de turistas anualmente —é o monumento histórico mais frequentado da Europa. Durante todo o ano de 2017, o Brasil recebeu, para efeitos de comparação, 6,5 milhões de turistas.

Após tomar conhecimento do incêndio, Emmanuel Macron adiou um discurso que faria nesta segunda sobre medidas econômicas para aplacar os protestos liderados pelos “coletes amarelos”.

No Twitter, o presidente francês declarou que está triste em ver “parte de nós queimando”.

Por volta das 20h30 de Paris, Macron chegou à catedral acompanhado da mulher, Brigitte Macron , do premiê francês, Edouard Philippe, e da prefeita de Paris, Anne Hidalgo.

Em uma rede social, Hidalgo lamentou o “terrível incêndio” que arrasou o teto da catedral, um dos monumentos mais emblemáticos da capital francesa e símbolo da arquitetura gótica. A catedral se popularizou em parte graças ao romance de Victor Hugo, “Notre-Dame de Paris”, publicado em 1831.

Protagonizada pelo Corcunda de Notre-Dame, que vive no campanário da catedral, entre os gárgulas, a obra é impregnada da paixão de Victor Hugo pela construção gótica, uma proeza tecnológica da época medieval.

A construção da Notre-Dame, na Île de la Cité, uma pequena ilha no centro de Paris, rodeada pelas águas do rio Sena, levou 180 anos: desde 1163, quando começou a construção no local de uma catedral romana, até 1345.

Em meados do século 12, a catedral romana era muito pequena para a população de Paris, cujo crescimento havia disparado. Surgiu então o projeto de construir uma imensa catedral, de 135 metros de comprimento e 40 metros de altura.​ A Notre-Dame é listada como Patrimônio Mundial da Humanidade desde 1991.

Deixe seu comentário: