Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Zeca projeta duelo contra o Alianza Lima pela Libertadores

Médico gaúcho oferece novo tratamento cardíaco testado nos Estados Unidos

O médico Eduardo Keller Saadi foi o primeiro cirurgião cardiovascular brasileiro a receber certificação para o procedimento. (Foto: Divulgação)

Estudos científicos conduzidos por especialistas norte-americanos em cardiologia garantem a eficácia de uma técnica minimamente invasiva em pacientes com estenose aórtica, menor idade e risco cirúrgico. O material foi publicado na edição do “New England Journal of Medicine” (EUA) do último sábado.

Antes, o procedimento conhecido como “Implante Transcateter de Valva Aórtica” era restrito a idosos acima de 80 anos, portadores de doenças associadas e risco elevado para cirurgia convencional – que exige abertura do tórax e paralisação forçada do coração, a fim de inserir a nova válvula aórtica.

Os médicos que atuam na área cardiovascular acreditam que estes resultados mudarão a conduta adotada até agora para a maioria das pessoas com estreitamento grave na válvula aórtica.

Porto Alegre é centro de referência nesse tipo de implante desde 2012, quando o médico, professor e pesquisador gaúcho Eduardo Keller Saadi se destacou na prática do procedimento menos invasivo em idosos com riscos. Ele foi o primeiro cirurgião cardiovascular brasileiro a receber certificação para implante de válvula transcateter CoreValve (uma das próteses testadas nos estudos) e já acumula um know-how de dez anos nesse método.

Segundo a assessoria de imprensa do médico, pacientes até mesmo de países vizinhos têm buscado o procedimento na capital gaúcha. Agora, garante, a conclusão dos novos testes em cardíacos mais jovens e com menor risco cirúrgico deve gerar um aumento nessa procura.

“Além de ser um método menos agressivo, o procedimento ocupa menos tempo no centro cirúrgico, podendo ser realizado com anestesia local”, assegura Saadi. “Demanda menos dias de internação, proporciona recuperação mais rápida, oferece mais conforto para o paciente e diminui a ocorrência de sequelas derivadas da cirurgia-padrão.”

Doença

A estenose aórtica se caracteriza por uma calcificação da válvula aórtica, impedindo o fluxo normal do sangue do coração para a aorta, artéria que leva o sangue para todo o corpo. Pode-se comparar com uma torneira (ou mangueira) entupida que, ao abrir, passa pouca água.

As principais manifestações são angina (dor no peito), insuficiência cardíaca e desmaios. A morte súbita é frequente quando a estenose é grave e os pacientes apresentam sintomas.

Saadi explica que muita gente tem a doença e não sabe: “Por muitos anos, ela cursa silenciosa e não dá sinais. Apesar de desconhecida pela maioria da população, é uma enfermidade cardíaca frequente que afeta mais de 200 mil brasileiros. Atinge cerca de 6% das pessoas com mais de 75 anos.

Causas

– Cardiopatia congênita (valva aórtica bicúspide);

Acúmulo de cálcio na válvula aórtica;

Febre reumática;

Doença renal crônica.

Prevenção

– Tratar pressão alta, obesidade e colesterol alto;

– Prevenir a febre reumática;

– Cuidar dos dentes e gengivas, diminuindo o risco de endocardite).

(Marcello Campos)

Deixe seu comentário: