Últimas Notícias > Colunistas > Armando Burd > Um curativo aqui, outro ali

Um projeto da prefeitura de Porto Alegre prevê o investimento de mais de 60 milhões de reais em moradias para famílias de baixa renda

Público-alvo são famílias que vivem às margens do Arroio Cavalhada. (Foto: Arquivo/PMPA)

Um projeto encaminhado pela prefeitura de Porto Alegre à Câmara de Vereadores prevê a construção de 540 unidades habitacionais na Zona Sul da cidade, por meio de um financiamento previsto em R$ 61,5 milhões. A ideia é permitir que pessoas deixem imóveis situação de risco para empreendimentos com urbanização adequada.

O Executivo municipal pretende obter esse recurso junto ao programa Pró-Moradia, do Ministério do Desenvolvimento Regional. A proposta foi desenvolvida pela SMPG (Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão), em conjunto com o Demhab (Departamento Municipal de Habitação), com o aval da Caixa Econômica Federal e do próprio Ministério.

Conforme o prefeito Nelson Marchezan Júnior, trata-se de mais um iniciativa que demonstra a recuperação da capacidade do município em captar verbas junto a instituições financeiras: “Em breve, termos ainda mais competência para fazer essas realizações com recursos próprios”.

As áreas destinadas ao projeto estão localizadas no bairro Cristal. O público-alvo são famílias de baixa renda que vivem às margens do Arroio Cavalhada, incluindo as vilas Icaraí 1, Nossa Senhora das Graças e Ângelo Corso. A estimativa do Demhab é de que os trabalhos, com duração estimada de 18 meses, comecem ainda neste ano.

Serão construídas 200 unidades habitacionais no condomínio Coronel Claudino, 160 unidades no condomínio Tamandaré 1 e outras 180 no condomínio Tamandaré 2. “Este importante projeto retomará a produção habitacional pelo Município, com recursos da prefeitura e financiamento do Pró-Moradia”, frisou a titular da SMPG, Juliana Castro.

Os terrenos faziam parte do Pisa (Programa Integrado Socioambiental), firmado a partir de um contrato entre a prefeitura e o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e que tem como principal objetivo elevar a capacidade de tratamento de esgoto na Capital – conforme o Executivo municipal, o índice de cobertura passou de 27% para 80%.

Ação anterior

Entre 2008 e 2018, quase mil famílias receberam bônus moradia do Pisa, outras 261 foram beneficiadas com unidades habitacionais e 86 com documentos de regularização fundiária. Foram contemplados moradores das vilas Foz, Campos Velho, Hípica, Nossa Senhora das Graças, Icaraí 1 e 2, Pantanal, Upamoroti, Angelo Corso e Barbosa Neto.

(Marcello Campos)

Deixe seu comentário: