Últimas Notícias > Colunistas > Democratas vai ao Palácio e defende austeridade fiscal

Baleia é encontrada morta nas Filipinas com 40 kg de plástico no estômago

Plástico é retirado do estômago de baleia morta encontrada nas Filipinas. (Foto: D'Bone Collector/Facebook)

Uma baleia morta cuja carcaça foi recuperada no último fim de semana nas Filipinas tinha 40 quilos de sacos plásticos dentro do estômago, segundo pesquisadores. O corpo do animal, um macho jovem da espécie “baleia-bicuda-de-cuvier”, foi resgatado a leste da cidade de Davao, no sábado (16), por uma equipe do Museu D’Bone Collector – uma ONG dedicada a ações de educação sobre a vida selvagem e à recuperação de animais mortos. As informações são da BBC News.

Em um post no Facebook, a ONG informou que “a causa final da morte da baleia foram 40 quilos de sacolas plásticas, incluindo 16 sacos de arroz, 4 sacos usados em plantações como a de bananas e várias sacolas de compras”.

Junto com diversas imagens, a organização acrescenta que nos próximos dias vai publicar uma relação completa dos resíduos plásticos encontrados no estômago do animal e que a quantidade de lixo que ele engoliu foi a maior já vista até agora em uma baleia.

“Isso é revoltante. O governo tem de tomar uma atitude contra aqueles que continuam tratando os cursos de água e o oceano como lixeiras”, acrescenta o texto.

Em entrevista à CNN, o fundador e presidente do museu, Darrell Blatchley, disse que “não estava preparado para tamanha quantidade de plástico”. “Era muito plástico e ele estava começando a calcificar [a ficar rígido por acúmulo de sais de cálcio].”

Ameaça crescente

A poluição por plástico nos oceanos tem sido apontada como ameaça a diversas espécies de animais no mundo – em alguns países do Sudeste Asiático, incluindo as Filipinas, o uso de plástico descartável é considerado um problema grave.

Cinco nações asiáticas – China, Indonésia, Filipinas, Vietnã e Tailândia – respondem por até 60% do lixo plástico que acaba nos oceanos, de acordo com um relatório de 2015 da Ocean Conservancy e do McKinsey Center for Business and Environment.

Com esse tipo de resíduo despejado na água em uma escala que chega a milhões de toneladas por ano, desde plânctons minúsculos até baleias enormes acabam ingerindo esse material acidentalmente ao se alimentar ou ao confundi-lo com o próprio alimento. A explicação de pesquisadores é que o plástico não só parece, mas também tem cheiro de comida.

Em junho do ano passado, uma baleia-piloto morreu na Tailândia depois de engolir 80 sacolas plásticas.

Sua morte aconteceu pouco depois de um relatório do governo do Reino Unido ter revelado que o nível de plástico no oceano poderia triplicar em uma década, a menos que medidas sejam tomadas para conter a poluição.