Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > Enquanto o ditador norte-coreano Kim Jong-un visita a China, a Coreia do Sul cancelou um exercício militar conjunto com os Estados Unidos que estava previsto para agosto

Uma nave espacial da Nasa encontrou um raro filamento no Sol

"Os filamentos solares são nuvens de partículas carregadas que flutuam acima do sol, amarradas a forças magnéticas", afirmam os pesquisadores. (Foto: Reprodução)

Em um de seus monitoramentos ao redor do Sol, uma nave espacial da Nasa (agência espacial norte-americana) capturou uma rara visão de toda a estranheza que paira pelo universo. De acordo com cientistas, trata-se de um filamento circundado e está localizado perto de um buraco da grande estrela.

O registro aconteceu entre os dias 29 e 31 de outubro de 2017 pela Solar Dynamics Observatory. Na mensagem que acompanha a novidade, os cientistas descrevem o fenômeno dizendo que a área preta à esquerda da região ativa mais brilhante é um buraco coronal, ou seja, uma abertura aberta magneticamente no Sol.

“Os filamentos solares são nuvens de partículas carregadas que flutuam acima do sol, amarradas a forças magnéticas”, afirmam os pesquisadores.
Os cientistas dizem que o buraco já foi visto anteriormente, mas sempre em forma de círculo e nunca em filamento.

Parceria

A Nasa está conseguindo economizar um bom dinheiro graças às parcerias que tem firmado com agências privadas. Os programas comerciais e de carga recentes custaram muito menos do que iniciativas anteriores que foram administradas integralmente pelo governo dos Estados Unidos.

Estima-se que bilhões de dólares já foram economizados com a SpaceX usando seus foguetes e cápsulas para enviar suprimentos e equipamentos à ISS (Estação Espacial Internacional), e há um estudo da própria Nasa comprovando este fato. Tudo começou a melhorar em 2006, quando a agência espacial dos EUA decidiu mudar a maneira que enviava suprimentos à ISS, firmando parcerias com empresas privadas para cuidar do transporte.

A Nasa ajudou no financiamento de veículos espaciais, e, hoje, conta com duas grandes parceiras nessa missão: a SpaceX, de Elon Musk, e a Orbital ATK. Enquanto a SpaceX usa sua cápsula Dragon com foguetes Falcon 9 para as missões com destino à ISS, a Orbital ATK conta com as cápsulas Cygnus, usando foguetes Antares ou Atlas V, este construído pela United Launch Alliance.

Tanta economia pode fazer com que a Nasa, cada vez mais, conte com o setor privado para alcançar seus objetivos. Vale lembrar que na quinta-feira (9), a agência espacial afirmou que enviará, sim, uma sonda não tripulada para Marte em 2019, mantendo os planos de levar o homem ao Planeta Vermelho em 2023, mesmo que, anteriormente, tenha admitido que não teria dinheiro suficiente para completar a missão dentro do cronograma. Portanto, pode ser que as parcerias com as agências privadas estejam viabilizando a concretização destes ambiciosos planos.

Deixe seu comentário: