Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Prova do Encceja é realizada neste domingo em 611 municípios brasileiros

Vale tem prejuízo de R$ 6,4 bilhões após tragédia em Brumadinho

Brumadinho ainda enfrenta diversos problemas causados pelo rompimento da barragem. (Foto: Divulgação)

A Vale divulgou nesta quinta-feira (9), em seu site oficial, os resultados financeiros do primeiro trimestre de 2019. Segundo os dados, os impactos financeiros da ruptura da barragem de Brumadinho levaram ao primeiro EBITDA negativo da Vale em sua história, de R$ 652 milhões, no 1º trimestre de 2019. Sigla proveniente do inglês, EBITDA, em tradução livre, quer dizer: Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização. O impacto financeiro (divulgado em dólares) da ruptura da barragem de Brumadinho no EBITDA, no período, foi de US$ 4,954 bilhões devido a alguns fatores:

  • provisões para os programas e acordos de compensação/remediação (US$2,423 bilhões);
  • provisão para descomissionamento ou descaracterização de barragens de rejeito (US$ 1,855 bilhão);
  • despesas incorridas diretamente relacionadas a Brumadinho (US$ 104 milhões);
  • volumes perdidos (US$ 290 milhões);
  • despesas de parada (US$ 160 milhões) e outros (US$ 122 milhões).

Esse resultado é uma consequência das provisões e despesas da empresa após o desastre em Brumadinho. A Vale ressaltou no balanço, porém, que no estágio atual das investigações não é possível determinar exatamente qual será o custo total com reparações, compensações e possíveis ações judiciais relacionadas à tragédia. O rompimento da barragem em Brumadinho no dia 25 de janeiro deste ano, deixou 237 mortos e 33 desaparecidos, segundo a última atualização.

Recém-confirmado pelo Conselho de Administração como novo diretor-presidente, Eduardo Bartolomeo comentou: “Estou comprometido em liderar a Vale no momento mais desafiador de sua história. Trabalharemos incansavelmente para garantir a segurança das pessoas e das operações da empresa. Nós nunca esqueceremos Brumadinho e não pouparemos esforços para aliviar o sofrimento e reparar as perdas das comunidades impactadas. Este enfoque nas pessoas e na segurança impulsionará nossa excelência operacional e fortalecerá nossa licença para operar, garantindo resultados sustentáveis através do fornecimento de portfólio de produtos de alta qualidade.”

A Vale divulgou também uma estrutura dos acordos:

  • A Vale tem trabalhado em conjunto com as autoridades e a sociedade para remediar os impactos ambientais e sociais do evento. Como resultado, a Vale iniciou negociações e firmou acordos com as autoridades competentes e com as pessoas afetadas.
  •  Em 15 de fevereiro de 2019, a Vale assinou um acordo preliminar com o Ministério Público do Trabalho para indenizar os empregados diretos e terceirizados da mina do Córrego do Feijão que foram afetados pelo término desta operação. Sob os termos do contrato, a Vale manterá os empregos de seus funcionários diretos até 31 de dezembro de 2019 e auxiliará no reposicionamento de funcionários terceirizados ou no pagamento de seus salários até 31 de dezembro de 2019.
  •  A Vale também continuará pagando salários regularmente às pessoas desaparecidas até que as autoridades as considerem vítimas fatais do evento. Caso as fatalidades sejam confirmadas, a Vale pagará às famílias um valor equivalente a seus salários até 31 de dezembro de 2019 ou até que a Vale chegue ao acordo final com o Ministério Público do Trabalho. Além disso, a Vale fornecerá um benefício de seguro médico vitalício para as viúvas e viúvos e um benefício semelhante para os dependentes das vítimas até os 22 anos de idade.
  • A Vale está tomando várias medidas em relação ao impacto ambiental e da fauna. Estamos construindo um dique de contenção para os rejeitos nas áreas afetadas, instalamos barreiras anti-turbidez para retenção de sedimentos ao longo do rio Paraopeba, mobilizamos a limpeza, desaguamento e dragagem do canal do rio Paraopeba, instalamos pontos de coleta diários de água e barreiras para retenção de sedimentos ao longo do rio Paraopeba, reservatório de Três Marias e rio São Francisco. Além disso, estamos realizando estudos para a construção de estações de captação e tratamento de água e infraestrutura de distribuição.

Para mais informações sobre o detalhamento dos registros financeiros e da estrutura dos acordos, clique aqui 

Deixe seu comentário: