Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Conselho inclui leilão do 5G em lista de concessões. Negociações sobre o Trensurb e o Hospital Fêmina, em Porto Alegre, também avançam

Vinte detentos são transferidos do Presídio Central de Porto Alegre durante nova fase da Operação Pulso Firme

Outros 140 detentos foram realocados dentro do próprio Presídio Central. (Foto: Banco de Dados)

A Secretaria da Segurança Pública do Rio Grande do Sul realizou, nesta segunda-feira (04), mais uma fase da Operação Pulso Firme. Durante a ação, 20 presos ligados a facções criminosas foram transferidos da Cadeia Pública de Porto Alegre – o antigo Presídio Central – para unidades prisionais em Charqueadas e Arroio dos Ratos.

Outros 140 detentos foram realocados dentro do próprio Presídio Central. Participaram da operação 340 policiais da BM (Brigada Militar) e 150 agentes da Susepe (Superintendência dos Serviços Penitenciários). A ação foi deflagrada depois que detentos foram expulsos de galerias do Central e estavam vivendo no pátio da cadeia, há cerca de dez dias.

A expulsão dos apenados ocorreu após a morte do traficante João Carlos da Silva Trindade, conhecido como Colete, líder da facção da qual esses presidiários faziam parte. O criminoso foi executado no mês passado, na Vila Maria da Conceição. Ele comandava o tráfico de drogas na região.

O secretário da Segurança Pública do RS, Cezar Schirmer, destacou, em entrevista coletiva na manhã desta segunda, que “a ação foi bem-sucedida dentro de seu propósito”. “Precisamos mudar a realidade do sistema prisional. Para tanto, estamos trabalhando no sentido de desarticular as facções”, afirmou.

“Todo movimento no sistema prisional passa por um processo de análise de inteligência, logística e preparação operacional. Estamos em constante monitoramento desde a primeira fase da operação e seguiremos com essa metodologia”, explicou.

(Foto: Susepe/Divulgação)

Primeira fase

A primeira fase da Operação Pulso Firme foi realizada em 28 de julho. Na ocasião, 27 presos foram transferidos para presídios federais de segurança máxima em Rondônia, Rio Grande do Norte e Mato Grosso do Sul.