Últimas Notícias > Notícias > Brasil > O governo federal estuda cobrar impostos de quem presta serviços para Uber, 99, Cabify e outras plataformas

“Vou ficar quietinho e não me meto mais na política brasileira”, diz o escritor Olavo de Carvalho, guru da família Bolsonaro

O escritor Olavo de Carvalho disse que o Brasil "escolheu confiar em pessoas que não merecem a sua confiança". (Foto: Reprodução/YouTube)

O escritor Olavo de Carvalho, guru da família Bolsonaro, disse nesta quinta-feira (16) que não fará mais comentários sobre a política brasileira por enquanto. “O que eu estou fazendo, estou decidindo hoje, é me ausentar temporariamente do debate político nacional, do dia a dia, das miudezas da política, porque se tornou uma coisa absolutamente insustentável”, afirmou Olavo.

Crítico da imprensa brasileira e da ala militar do governo, Olavo de Carvalho direciona seus ataques especialmente ao ministro general Carlos Alberto dos Santos Cruz, da Secretaria de Governo, e ao vice-presidente, general Mourão. Para o escritor, eles são um entrave às mudanças sociais propostas pelo bolsonarismo.

Os militares por sua vez, reagiram aos ataques e têm cobrado uma postura mais incisiva do presidente, considerado por eles omisso na disputa. O principal revide veio de Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército de 2015 até o começo deste ano, que chamou o escritor de “Trótski de direita”, ao criticar o patrono da ala ideológica associando-o ao líder comunista soviético Leon Trótski.

“Eles querem me tirar da parada? Tiraram. Eu vou ficar quietinho agora, não me meto mais na política brasileira. O Brasil escolheu o seu caminho. Escolheu confiar em pessoas que não merecem a sua confiança e agora vai se danar”, completou Olavo. As últimas postagens de Olavo no Twitter e no Facebook datam de segunda-feira (13), nas quais estão presentes as críticas costumeiras aos militares e à imprensa brasileira.

Na entrevista, Olavo – que vive nos Estados Unidos desde 2005 – também negou exercer qualquer influência sobre o governo Bolsonaro “Quem sou eu nessa história toda? Esse grupo olavista jamais existiu. Não existe nada disso. A minha influência é a influência de escritor sobre um público difuso que não tem nenhum contato entre si. Não há organização, não há diálogo, não há membros. O Brasil está vivendo embaixo de uma alucinação, isso virou uma palhaçada.”

Embora negue exercer qualquer influência sobre o governo, Olavo de Carvalho foi responsável pela indicação de dois ministros: Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Ricardo Vélez Rodríguez, demitido do MEC (Ministério da Educação) no início de abril. Seu substituto, Abraham Weintraub, foi aluno do curso de filosofia oferecido por Olavo na internet e também expressa admiração pelo escritor.

Apesar das críticas da ala militar ao comportamento de Olavo de Carvalho, Bolsonaro e seus filhos Carlos e Eduardo vão na direção inversa. O próprio presidente o considera um “ícone”, já defendeu seu direito de expressão e afirmou que as obras do escritor contribuíram para seu triunfo eleitoral em 2018.

No final de abril, Bolsonaro ainda concedeu ao escritor o mais alto grau da Ordem de Rio Branco, condecoração dada pelo governo do Brasil para “distinguir serviços meritórios e virtudes cívicas, estimular a prática de ações e feitos dignos de honrosa menção.” Sobre o presidente, Olavo afirma que Bolsonaro é um homem honrado e bem intencionado, mas que tenta fazer algo impossível. “Bolsonaro tenta conciliar o inconciliável”.