Terça-feira, 03 de agosto de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
Fog

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política Operação Lava-Jato denuncia ex-executivo da Petrobras por lavagem de dinheiro e tráfico de influência

Compartilhe esta notícia:

Supostos crimes estão relacionados a contratos firmados pela estatal. (Foto: André Motta de Souza/Agência Petrobras)

O MPF (Ministério Público Federal) ofereceu na quinta-feira (17) denúncia referente aos crimes de tráfico de influência e lavagem de dinheiro cometidos pelo ex-executivo da Petrobras e operador financeiro Mario Ildeu Miranda relacionados a contratos firmados pela estatal. “As operações de lavagem de dinheiro, decorrentes dos crimes de tráfico de influência, atingiram um montante de mais de US$ 11.151.000,00, conforme demonstrado pelas documentações bancárias de contas mantidas no exterior em nome de pelo menos cinco empresas offshores – Faercom, Fairfamily Trust, Lynnmar, Windsor e Tech Trade, sendo que esse valor corresponde atualmente a R$ 56.493.671,85”, informou o MPF.

Além da condenação pelos crimes de tráfico de influência e lavagem de dinheiro, o Núcleo Lava-Jato do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado federal requereu que seja decretado o perdimento dos valores ilícitos, atualmente equivalentes a R$ 56.493.671,85. Com base em precedentes do Supremo Tribunal Federal (Ações Penais nº 1030 e 1002), o MPF também postulou a fixação de danos morais no montante mínimo no mesmo valor.

Conforme narrado na denúncia, “Mario Ildeu Miranda solicitou os pagamentos indevidos de Zwi Skornicki, então representante do consórcio FSTP, da Keppel Fels e da Technip, a pretexto de influir na obtenção de contratos e aditivos firmados por tais empresas com a Petrobras. Para o repasse dissimulado dos valores a Mario Ildeu Miranda, foram empregadas duas formas diversas de lavagem de dinheiro: a) mediante repasses de valores por intermédio dos doleiros colaboradores Raul Davies e Jorge Davies, os quais receberam valores de Zwi Skornicki e posteriormente repassaram, de forma fracionada, os valores para uma das contas mantidas no exterior secretamente por Mario Miranda, em clássica modalidade de lavagem de dinheiro destinada a tentar quebrar o rastro dos recursos ilícitos; b) mediante transferências realizadas diretamente a partir de contas ocultas de Zwi Skornicki para outra conta não declarada pertencente a Mario Miranda”. As informações são do Ministério Público Federal no Paraná.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Tribunal Superior Eleitoral escolhe a filósofa e escritora Djamila Ribeiro para estrelar campanha em defesa da urna eletrônica
Câmara dos Deputados inclui motoristas de aplicativos, bancários e empregadas domésticas em lista de prioridades da vacinação contra a covid
Deixe seu comentário
Pode te interessar