Quarta-feira, 17 de abril de 2024

Porto Alegre
Porto Alegre, BR
19°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Notícias Presidenciáveis criticam a atuação do governo na crise dos caminhoneiros

Compartilhe esta notícia:

A chamada "greve dos caminhoneiros" não era greve porque nenhum empregado reclamou de temas tipicamente trabalhistas. (Foto: Valter Campanato/ABr)

A maior crise enfrentada pelo governo Temer neste ano eleitoral virou alvo de críticas dos pré-candidatos a presidente. Seja pela má gestão de preços da Petrobras ou pela demora em reagir à paralisação, a atuação do Palácio do Planalto na busca de soluções para a greve dos caminhoneiros foi atacada pelos pretendentes a suceder Temer.

Com diferenças de tom, Jair Bolsonaro (PSL), Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB) coincidiram no viés crítico. O ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, pré-candidato pelo MDB, partido de Temer, preferiu defender apenas a redução de impostos. Todos comentaram antes de o governo anunciar acordo cedendo às principais reivindicações dos grevistas, segundo o jornal O Globo.

Bolsonaro declarou apoiar as reclamações dos caminhoneiros, mas discordou do fechamento de estradas como forma de protesto.

“Os caminhoneiros sofrem com preço alto dos combustíveis, roubo de cargas, a indústria das multas, as condições das estradas… Eu concordo com quem para o caminhão em casa. Agora, fechar rodovia é extrapolar. Com isso, não dá para negociar “, disse Bolsonaro, sem opinar sobre qual seria a solução para o preço do combustível. “Quem tem de dar a solução é o governo, não sou eu.”

Já Marina Silva criticou a forma como a Petrobras reagiu ao movimento. Na quarta-feira, a empresa anunciou a redução de 10% no valor do diesel. Para a pré-candidata da Rede, foi um sinal de pressão política na gestão de preços, passando um sinal ruim ao mercado.

“Fazendo no olho do furacão, com a pressão política, a mensagem que passou externamente é que a Petrobras não está se comportando de acordo com as regras do mercado. E aí vai uma desvalorização das ações da Petrobras na ordem de 11%”, opinou Marina, ao participar de sabatina feita pelo SBT, pelo portal Uol e pelo jornal Folha de S.Paulo.

Para ela, o governo Temer não soube reagir na crise. “Não pode agir só quando as coisas estão praticamente fora de controle. Mas esse governo não tem condição de se antecipar a nada, porque vive o tempo todo na berlinda: na berlinda da falta de credibilidade, de falta de popularidade, e compromisso com a sociedade brasileira.”

No Twitter, o pedetista Ciro Gomes considerou “uma aberração” a política de preços dos combustíveis praticadas pela Petrobras. “A alta dos combustíveis é uma aberração que praticamente nega a razão de ser da própria existência institucional da Petrobras. A política de preços adotada está equivocada e desrespeita a sua estrutura de custos. Toda a eficiência da Petrobras deve ser transferida para o interesse público brasileiro e é isso que nós vamos fazer”, escreveu.

Em um tom mais ameno, mas ainda de crítica, o tucano Geraldo Alckmin avaliou que faltou diálogo do governo na condução da crise. Ele defendeu a manutenção de Pedro Parente como presidente da Petrobras, apesar do pedido de seu correligionário, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), para que Parente pedisse demissão da estatal.

“Diálogo. É o que disse hoje cedo o líder dos caminhoneiros: ele vem desde abril tentando o diálogo”, comentou Alckmin.

Lançado esta semana como pré-candidato do MDB pelo presidente Temer, Meirelles não comentou o aspecto político da crise. Ele procurou focar o discurso na defesa da redução de impostos sobre combustíveis.

“Nós vamos ter que fazer a reforma tributária e aprovar as reformas de corte de despesa que permitam a diminuição da carga tributária sobre combustíveis. Agora, uma coisa é o deficit público elevado, despesa crescente de despesas, temos que diminuir as despesas e diminuir os impostos.”

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Notícias

Após a derrota do PT nas urnas, Lula defende “cara nova” para a presidência do partido
Após decisão da Justiça Eleitoral, os partidos políticos têm que reservar mais de 500 milhões de reais do fundo eleitoral para mulheres candidatas a deputada estadual ou deputada federal em 2018
https://www.osul.com.br/presidenciaveis-criticam-a-atuacao-do-governo-na-crise-dos-caminhoneiros/ Presidenciáveis criticam a atuação do governo na crise dos caminhoneiros 2018-05-26
Deixe seu comentário
Pode te interessar