Segunda-feira, 17 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Partly Cloudy

Brasil Um médico suspeito de atirar uma pedra em um bebê de 1 ano será liberado e usará tornozeleira

Bebê foi atingido por uma pedrada durante discussão entre o pai e o médico. (Foto: Arquivo pessoal)

Após ter sido preso na Região do Cariri (CE), na manhã da última quinta-feira (28), suspeito de ter atirado uma pedra em um bebê de 1 ano, o médico Alcides Muniz Gomes de Matos Filho teve alvará de soltura expedido na tarde de segunda-feira (4) por determinação do desembargador Durval Aires Filho, do TJ-CE (Tribunal de Justiça do Ceará). A agressão teria ocorrido durante uma briga com o pai da criança. As informações são do portal de notícias G1.

O magistrado determinou o relaxamento da prisão com a aplicação de medidas cautelares como o monitoramento eletrônico por tornozeleira. O pedido da defesa foi impetrado pelos advogados Leandro Duarte Vasques, Rodrigo Ferreira Gomes e Kueily Cristiane Muniz Bezerra.

Conforme a decisão do desembargador plantonista, Alcides Muniz deverá “comparecer ao Juízo a cada 30 (trinta) dias para informar e justificar atividades; abster-se de se aproximar ou manter contato com quaisquer pessoas envolvidas no fato (vítimas, testemunhas, entre outros); não deixar a Comarca sem autorização do Juízo a quo; recolher-se ao seu domicílio no período noturno ou nos dias de folga, e ser monitorado eletronicamente”.

O bebê foi atingido na cabeça por uma pedra durante uma discussão entre o médico e o pai da criança, que é ex-funcionário do suspeito e cobrava uma dívida com o ex-patrão. O pai da criança conseguiu correr para o veículo com a mulher e o filho. Eles foram ao hospital de Barbalha, onde o bebê deu entrada, desacordado. Após exames, o hospital confirmou que o bebê sofreu traumatismo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Um médico foi preso por negar atendimento em um pronto-socorro
Um ministro do Superior Tribunal de Justiça disse que as sentenças dos juízes não podem ignorar a jurisprudência, as súmulas e precedentes vinculantes
Deixe seu comentário
Pode te interessar