Últimas Notícias > Notícias > Brasil > O governo federal estuda cobrar impostos de quem presta serviços para Uber, 99, Cabify e outras plataformas

“Nós conseguimos”, comemoraram os passageiros resgatados do navio que ficou à deriva na Noruega com mais de 1.300 pessoas a bordo

Os motores do Viking Sky, com 1.373 pessoas a bordo, pararam de funcionar devido a tempestades no mar. (Foto: Divulgação)

Passageiros que estavam a bordo do cruzeiro Viking Sky gritaram “nós conseguimos”, de forma exultante, no momento em que o navio chegou ao porto de Molde, na Noruega, por volta do meio-dia deste domingo (24), no horário de Brasília (16h no horário local). O relato é da emissora pública norueguesa NRK, que acompanhou o processo de resgate iniciado no sábado (23), quando a embarcação ficou à deriva no litoral oeste do país nórdico.

Os motores do Viking Sky, com 1.373 pessoas a bordo, pararam de funcionar devido a tempestades no mar. Os passageiros contaram à imprensa local que, por mais de 20 horas, o navio era a todo momento sacudido pelos ventos fortes e ondas de 6 metros a 8 metros de altura.

Ao menos 479 foram resgatados com a ajuda de helicópteros e 20 feridos receberam atendimento médico, de acordo com a empresa Viking Ocean Cruises, dona do navio. Entre as lesões, estão escoriações, ossos quebrados e cortes superficiais. Os demais passageiros e tripulantes que permaneciam no navio chegaram em segurança depois que três motores do Viking Sky voltaram a funcionar, na manhã deste domingo, possibilitando o deslocamento até o porto de Molde – a cerca de 370 km da capital Oslo.

Hans Vik, um dos policiais envolvidos na operação de resgate, afirmou que o cruzeiro ficou a cerca de 100 m de encalhar antes que os motores voltassem a funcionar. “Se ele tivesse encalhado, teríamos enfrentado um grande desastre”, comentou. O americano Jan Terbruegen afirmou à “Dagbladet”, que “móveis deslizaram pela sala e para trás” no período em que o cruzeiro era atingido pelo mar tempestuoso. Vídeos postados em redes sociais mostraram momentos de tensão no navio enquanto os turistas aguardavam resgate.

Pessoas caíram no chão e havia muito vidro quebrado, segundo o turista. “Tentamos ficar mais na parte inferior do navio, perto do centro, porque era uma maneira de lidar com o enjoo”, comentou.

Região de navegação difícil

O Viking Sky, de 227 m de comprimento e 29 m de largura, fazia uma viagem de 12 dias, que havia começado no dia 14. A maioria dos passageiros era dos Estados Unidos e do Reino Unido, mas também havia canadenses e australianos a bordo, segundo a dona do navio, a Viking Cruises.

No momento do incidente, o cruzeiro navegava de Tromsø (norte) para Stavanger (sudoeste), e estava próximo da cidade de Alesund, a cerca de 370 km de Oslo. O comandante do navio lançou um alerta no começo da tarde de sábado, quando o mar agitado e problemas de motor fizeram com que ele começasse a flutuar em direção a uma costa rochosa.

A navegação é notoriamente difícil nesta região, conhecida como Hustadvika. As autoridades estudam a construção de um túnel para barcos em uma montanha do litoral para evitar a navegação em alto mar. Apenas no fim da madrugada, no horário local, um dos quatro motores da embarcação voltou a funcionar e o cruzeiro pôde se estabilizar e ancorar na baía de Hustadvika, entre as cidades de Alesund e Trondheim, a 2 km da costa. A partir de então, começou a operação de resgate dos passageiros.