Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Preço médio da gasolina nas bombas cai pela décima semana consecutiva

Depois de ter sido chamado de “funcionário do Bolsonaro” pelo presidente da Câmara dos Deputados, o ministro Sérgio Moro disse que não há motivo para conflitos

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. (Foto: Reprodução)

Depois de ter sido chamado de “funcionário do presidente Jair Bolsonaro” pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) disse que não há motivo para conflitos. O ex-juiz federal levantou bandeira branca após declarações irritadas de Maia à imprensa no meio da semana. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

“Vamos retomar a conversa assim que for possível. Não há motivo para conflito por conta de desentendimento pontual”, afirmou Moro na sexta-feira (22). “Respeitamos a liderança dele na Câmara”, completou.

Na quarta-feira (20), Maia desqualificou o projeto anticrime apresentado pelo ministro, dizendo que o texto é um “copia e cola” de proposta sobre o mesmo tema que foi apresentada no passado pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal). Ele ainda disse que Moro estava “confundindo as bolas”.

No discurso ríspido, também pediu respeito e afirmou que era ele o presidente da Câmara, cargo que tem a atribuição de definir a pauta de votações da Casa.

O ex-juiz respondeu, no mesmo dia. “Talvez alguns entendam que o combate ao crime pode ser adiado indefinidamente, mas o povo brasileiro não aguenta mais. Essas questões sempre foram tratadas com respeito e cordialidade com o presidente da Câmara, e espero que o mesmo possa ocorrer com o projeto e com quem o propôs. Não por questões pessoais, mas por respeito ao cargo e ao amplo desejo do povo brasileiro de viver em um país menos corrupto e mais seguro”, declarou na quarta, em um comunicado enviado pelo Ministério da Justiça.

A Folha de S.Paulo mostrou na quinta-feira (21), que envio de mensagens em tom de cobrança de Moro para Maia na madrugada de quarta-feira levou o parlamentar a disparar críticas. Moro pediu que Maia desse celeridade no pacote anticrime, apresentado pelo ministro ao Congresso em fevereiro.

Maia tem dito ter acordado com o Palácio do Planalto que priorizaria na pauta da Câmara a aprovação da reforma da Previdência, considerada crucial para a gestão Bolsonaro e que, na sequência, colocaria o texto de Moro para tramitar em comissões e depois no plenário da Casa.

O pacote de Moro foi enviado ao Congresso em meados de fevereiro. Alvo de críticas por não ter passado por uma discussão ampla na sociedade, o texto altera 14 pontos de Código Penal, Código de Processo Penal, Lei de Execução Penal, Lei de Crimes Hediondos e Código Eleitoral. Em linhas gerais, prevê endurecer as penas para crime organizado, corrupção e delitos violentos.

O texto inclui o cumprimento provisório da pena após condenação em segunda instância – tema considerado prioritário por Moro – e a criminalização do caixa dois. As medidas precisam passar por comissões do Congresso e serem aprovadas pelo plenário das duas Casas, por maioria simples, antes de irem para sanção do presidente Jair Bolsonaro.

Deixe seu comentário: