Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Justiça marca julgamento de Lula no caso do triplex para o dia 24 de janeiro

Na pior das hipóteses, a queda na safra de grãos no Brasil será de 6%

Clima deve levar à queda da colheita, mas para nível ainda elevado. (Foto: Agência Brasil)

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) confirmou o que já indicavam projeções de consultorias privadas e estimou queda da produção de grãos no País na safra 2017/18, que já está em fase de plantio. Calculada a partir de condições e previsões meteorológicas atuais, a retração prevista reduzirá o volume total a um patamar ainda expressivo – o segundo maior da história – e tende a ter efeito limitado sobre a inflação. Mas certamente exercerá pressão negativa sobre o PIB (Produto Interno Bruto) da agropecuária do País, sobretudo no primeiro trimestre de 2018.

Segundo divulgou a estatal vinculada ao Ministério da Agricultura, a área plantada total alcançará entre 58,4 milhões, como em 2016/17, e 59,6 milhões de hectares, e a produção somará entre 224,2 milhões e 228,2 milhões de toneladas. Na pior das hipóteses, a queda será de 6%. Evidentemente, portanto, o cenário traçado leva em consideração uma produtividade menor, derivada de menos investimentos em tecnologias, dadas as margens mais apertadas dos agricultores, e de um clima “menos perfeito” que no ciclo passado.

Aroldo Oliveira, superintendente de informações do agronegócio da Conab, lembrou que as chuvas atrasaram em até uma semana o início do plantio, o que prejudicou os trabalhos. Nessas áreas, houve precipitações no fim do mês passado, o que permitiu algum avanço, mas desde a semana passada a seca voltou a dar o tom, novamente afetando a semeadura. Conforme Oliveira, há uma expectativa de retorno de chuvas mais regulares na semana que vem.

Em consequência desses percalços, mesmo a soja, que deverá ocupar uma área até 3,8% maior neste ciclo 2017/18, deverá registrar queda na colheita. Para o carro-chefe do agronegócio nacional, a Conab estima uma produção entre 106 milhões e 108,3 milhões de toneladas, até 7,1% menos que na temporada passada, quando o volume atingiu o recorde de 114,1 milhões de toneladas.

Deixe seu comentário: