Últimas Notícias > Notícias > Brasil > A Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, aprovou remédio genérico para o tratamento do câncer de próstata

O ministro das Cidades manda carta a Temer pedindo demissão

Araújo em evento com Temer nesta segunda-feira. (Foto: Marcos Corrêa/PR)

O ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB), encaminhou nesta segunda-feira (13) ao presidente Michel Temer uma carta pedindo demissão do governo federal. O pedido de exoneração se deu em meio ao racha político no PSDB, que está dividido entre uma ala que defende a permanência no governo federal e outra que quer desembarcar da gestão peemedebista.

A cizânia tucana se intensificou durante a tramitação, na Câmara dos Deputados, da segunda denúncia do Ministério Público contra Temer. Na semana passada, com a destituição do senador Tasso Jereissati (CE) do comando interino do PSDB, a briga entre as correntes tucanas ganhou ares de crise.

Na carta de demissão, o titular das Cidades agradeceu ao presidente da República a oportunidade de comandar a pasta responsável, entre outras coisas, pelo programa Minha Casa, Minha Vida e justificou a saída do governo ao fato de, segundo ele, já não haver dentro do PSDB “apoio no tamanho que permita seguir nesta tarefa”.

“Agradeço a confiança do meu partido, no qual exerci toda a minha vida pública, e já não há mais nele apoio no tamanho que permita seguir nessa tarefa”, escreveu o ministro na carta em que pede para deixar o primeiro escalão.

Na tarde desta segunda, Bruno Araújo chegou a participar de uma cerimônia, no Palácio do Planalto, ao lado do presidente Michel Temer e de outros ministros. No evento, foram entregues os primeiros cartões reforma do programa do Ministério da Cidades que prevê o repasse de dinheiro a beneficiários do Minha Casa, Minha Vida para eles reformarem as moradias.

O movimento de Bruno Araújo abre caminho para a reforma ministerial. A ideia do presidente da República era tirar dois ministros do PSDB, entre os quais Bruno de Araújo.

A ministra de Direitos Humanos, Luislinda Vallois, também pode deixar o primeiro escalão.

Cartão Reforma

“O Cartão Reforma é a essência de cuidar das pessoas”, disse o ministro das Cidades, ao saudar os caruaruenses. “Juntamente com a nova lei de regulamentação fundiária e o Minha Casa, Minha Vida, o governo consolida o tripé da política pública habitacional”, reiterou. Os agraciados são moradores do bairro de São João da Escócia, em Caruaru, e foram a Brasília para o ato simbólico.

Para Bruno Araújo, o Cartão Reforma que abre a um universo de milhões de brasileiros que têm a sua casa precária, possibilidade de ter melhoria de qualidade de vida.

O ministro também considerou o programa, do ponto de vista tecnológico, uma ferramenta fundamental. “Será seguramente um dos grandes cases na área do governo virtual. Pelo nível de sofisticação, eliminando o papel no processo de seleção, controle, e acompanhamento de fiscalização, de maneira transparente e eficiente. Percalços podem haver, mas nos faz entrar numa nova era de governança.”

“É com muita alegria que nos reunimos hoje em torno do Cartão Reforma, um dos pilares de nossa política habitacional”, disse o presidente da República, Michel Temer, agradecendo a presença dos beneficiados.

Durante a cerimônia, Bruno Araújo assinou a portaria que permitirá levar o Cartão Reforma a famílias de municípios de cinco estados – Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná Alagoas e Pernambuco. Todos sofreram com as chuvas e tiveram de decretar  situação de calamidade pública, este ano.

Em breve,  outros 1.923 municípios poderão ingressar no programa, por meio do  Sistema de Gestão do Cartão Reforma – SisReforma (disponível no portal www.cartaoreforma.cidades.gov.br).

A iniciativa, elaborada pelo Ministério das Cidades, vai ajudar a melhorar a qualidade de moradias em todo o Brasil, apoiando obras de reforma, ampliação ou de conclusão das casas de famílias com renda mensal de até R$ 2.811,00. Foram priorizadas localidades com problemas de adensamento populacional e precariedade sanitária das moradias. A expectativa é atingir 182 mil famílias  até 2018.

Deixe seu comentário: